Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

domingo, 30 de agosto de 2009

Porquê Michael Jackson é O CARA


Disse É e não ERA, pois não haverá outro.

Hoje em dia é comum (e enjoativo) ver os 18.675 astros e divas do rap/R&B/Black music/soul/funk (saca, aquele estilo que todo mundo acaba generalizando como hip hop). Mas não vou entrar no mérito de denominações, pois está tudo muito mesclado e não sabemos onde um começa e outro termina. Tô falando de talento descoberto e não adestrado pra ser vendido (mesmo que ele tenha iniciado a sucessão de fatos e eventos que tenha inspirado o modelo atual)

Voltando à vaca fria, Michael Jackson foi quem criou todo um universo e ditou padrões que são referências para muitos até hoje (contratos publicitários, vídeo clips com historinhas – e põe historinhas nisso! – a figura do mega star dançando a mesma coreografia que os milhares de “figurantes” e tals). E embora o que sobrou tenha sido só um monte de megalomaníacos mimados ardentes e sensuais – com cara de “sou o picão da parada” – é importante frisar que havia um diferencial tão simples quanto importante: a música e o artista.

Pode parecer vago, mas você aguardava seus clips e shows porque sabia que nunca seria um show e ponto, seria uma mega produção com todo cuidado desde efeitos especiais até a música em si (coreografias, letras, melodias, etc). Era como saborear os momentos que antecedem uma festa. “O que será que vai ter de novo nisso?” “Qual vai ser a próxima que ele vai aprontar?”. Não quero ser chato, mas a gente vê seus sucessores e já sabe exatamente o que eles vão fazer. Só serve pra fãs... Michael conseguiu ultrapassar essa barreira e até não fãs conseguiam enxergar seus feitos.

Excentricidades à parte, havia uma coisa de o artista ter a oferecer ao público muito mais que só música... ele oferecia sua alma em forma de arte.

UIA! Santa poesia, Bátima!

Um comentário:

Pierre Curi disse...

Não acho que ele foi só o caminho das índias para o pop mas possuia um filem, essência. Michael, além de ter uma voz angelical, putz, dançava como um Deus ( trocadilho não proposital bíblico ). Justin Timberlake, que o diga!
É Michael, você agora é a estrela, literalmente que brilha sobre nós.
Abração.
Ps: Desculpa Michael por não ter comprado seu dvd original, copiar sai mais enconta ( Crise nos assola ainda )