Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

O que precisamos aprender com os EUAses?

Martin Luther King Jr e Malcolm X. Ideias diferentes na
luta contra o racismo. 
Há coisa que se tornam senso comum e a partir daí, a maioria nunca mais para pra observar. A sociedade em geral entende aquilo como um conhecimento fixo e não volta mais naquela situação pra analisar se mudou, se era aquilo mesmo, se impressões não deram a ideia errada e tals... E o tal do conhecimento engessado abordado neste texto é a questão racial nos EUAses (é, eu falo assim da sigla deles, sorry).

A questão é que lá, como aqui, a camada colonizadora e exploradora, europeia e euro-descendente, viveu nas costas de índios e negros escravizados pra seu sustento aristocrático. Mesmo o branco mais pobre ainda era ‘melhor’ que o negro mais inteligente, por exemplo. Sabemos que eles disputam entre eles o poder, mas têm por certo que negros não entram nessa equação. Seria como eles perderem seus privilégios que eles mesmos criam por puro protecionismo e corporativismo.

Mas, enfim, ouço muito defensor velado de racismo alegando que nossa luta aqui é exagero, porque racismo mesmo é lá nos EUAses, com KKK (Ku Klux Klan, não é uma risada de internet) e toda aquela palhaçada. Acontece que aqui, pode não ter um grupo assumidamente racista, mas a ideologia funciona em nível subconsciente. Mas mesmo lá sendo acusado de ser um país racista (e é, estruturalmente), ainda temos diferenças gritantes que não necessariamente são desvantagens.

Veja bem, lá teve uma guerra civil pelo fim da escravidão em todo o território nacional. Tudo bem que não foi por puro humanismo, mas por mudanças nos padrões de produção e desenvolvimento industrial e tecnológico, mas ainda assim, teve algo. Aqui a gente é calado até por ‘amigo’ do lado, só de mencionar algum caso de racismo. Isso hoje em dia. Lá também teve uma série de conflitos físicos e violentos em nome da conquista de direitos civis para os negros. Aqui, cotas raciais ainda são um tabu que muita gente fala sem nem saber do que se tratam, de onde vem a ideologia ou o efeito que isso deve causar na sociedade.

Vale lembrar, sim, que lá, negro é minoria étnica na composição da população do país. Um povo dentro de uma sociedade multiracial. Aqui, somos mais miscigenados e não crescemos com tanta noção étnica, cultural e ideológica enquanto povo. Somos programados a achar que o Brasil foi feito da união pacífica, consensual, harmônica e sorridente. Tipo, o branco, o índio e o negro se juntaram e fizeram filhos e netos ‘mulatinhos’ (argh!) pra tudo acabar em samba. Pura mentira, né? Amigo não escraviza amigo e não faz filho fora de casamento dentro de senzala pra demonstrar carinho. Essa ideia de que a casa grande é a tutora legal e cuidadora da senzala é um dos maiores caôs do país.

Sendo assim, o negro estadunidense tem uma noção de identidade cultural bem mais apurada. Além disso, há produtoras de mídia e cultura inteiramente negras. Veja pelas séries, filmes e mesmo nas produções predominantemente brancas, ainda vemos negros encarnando médicos, advogados, pilotos de avião, presidente do país (muito antes de Obama na vida real, Morgan Freeman já tinha comandado o país em Impacto Profundo) e até o deus bíblico o próprio Freeman já encenou. Não estou ignorando que muitas produções só colocam negros lá pra ser o primeiro a morrer, fazer piadas ou carregar peso. Mas há uma diversidade maior.

Aqui? Existem uns 5 medalhões que podem, a cada 10 anos, protagonizar alguma novela, talvez um filme sobre favela (talvez, porque na hora do protagonismo, eles botam favelado branco pra todo lado). Aqui não temos uma mídia própria, que nos dê espaço. Ficamos disputando com a camada dominante onde eles tanto mandam que nem se importam em excluir os outros. Lá você vê Eu, a patroa e as crianças, Fresh Prince of Bel Air (Um Maluco no Pedaço), Elas e Eu, filmes como Vizinhança do Barulho e outros... Aqui, quando o negro é abordado é o pobre sofrido, tipo Antonia, Subúrbia, sem contar naquele miserável Sexo e as nega (que sofra no inferno, série bizarra, machista e racista).

Quero dizer, cadê o negro sendo o negro brasileiro? Somos só esses bandidos ou pobres submissos que eles veem na gente? E a caneta? Não vamos evoluir nem um passo enquanto quem comanda atrás das câmeras não for preto também. Aí, na frente da telinha, vamos continuar sendo mal representados. Mais de 50% da população aqui é preta ou parda, mas parece não ter a disposição ideológica pra desligar a TV se essa não lhe fizer justiça. Não liga que a TV seja a casa grande, desde que tenha seu programa favorito passando para a senzala. Até no campo da música. O samba e o funk hoje são produtos rentáveis pra midia branca, mas o maior público é o preto, que se acha representado porque não é educado pra contestar, só pra aceitar o que é massivamente empurrado mídia afora.


Então, não é lá que é racista, aqui é muito mais, se você pensar que lá a população negra é pouco mais de 10% do país e ainda assim possuem uma cultura própria e coesa. Aqui negamos o racismo mas não deixamos de praticá-lo. É só abrir os olhos. Quem foge do assunto é porque tá devendo e tem medo de acabar se entregando. 

sábado, 4 de novembro de 2017

A Cabana do Pai Tomás e as relações de racismo "amistoso" no Brasil



A Cabana do Pai Tomás foi uma novela global que passou entre 1969 e 1970. O casal protagonista lutava contra a tirania dos senhores de escravos em prol da liberdade. Bunitim, né? Não, pois começam os problemas já na escalação do casal negro.

Sérgio Cardoso era branco e por indicação do patrocinador (Colgate-Palmolive) foi pintado de preto pra representar o personagem-título. A esposa, vivida pela maravilhosa Ruth de Souza (negra), teve seu nome passado pra trás nos créditos de abertura porque atrizes brancas do elenco não aceitavam ter uma negra 'acima' delas. A emissora compactuou com tudo isso.

Então, vamos às conclusões: Numa novela que retrata a escravidão, os coadjuvantes eram negros, mas o protagonista era branco de blackface. Sério que ele não levantou a voz pra defender os 'amigos'? Não me convenceria nenhuma interpretação por liberdade de quem aceita passar os colegas negros pra trás.

Daí, vemos o retrato do Brasil racista. O branco sabe o privilégio que tem e mesmo que não levante discurso racista, está ok com a condição do negro, desde que se mantenha acima. Não quer justiça, quer o negro bem, mas quer a si mesmo acima dele, no seu ideal de normalidade. E é daí que surge aquela insistência do branco fugir do assunto racismo, dizer que é um assunto apenas do negro e que o racismo nem existe, em alguns casos.

É não querer entrar em conflito porque não é atingido diretamente. Claro que não é todo branco que vive assim, vendo o irmão apanhar e ficando quieto apenas pra não se indispor com ninguém. Mas os que são assim, a gente percebe de longe, igual perfume barato ou cheiro de sapato de quem pisou na bosta.

Como seria se naquela época, os brancos se levantassem e dissessem 'ei, negros é que devem interpretar personagens negros'? Como seria se os negros falassem 'ei, se é assim, prefiro juntar a negada em outro canto pra gente fazer nossos próprios trabalhos'. Nos EUAses funcionou, há décadas que eles fazem séries, filmes e demais programas de TV com elencos inteiramente negros.

Isso não é só uma questão de 'mimimi', é geração de auto-estima, emprego e representatividade pra uma camada enorme da sociedade. Não queremos roubar o espaço de ninguém, só queremos o nosso próprio espaço autônomo e não migalhas que eles dão pra manter essa relação de dependência, pois temem que nos tornemos mais proeminentes nas áreas onde estão acomodados, vivendo de inércia.

Casa Grande-Senzala é o C... Como diriam Cidinho e Doca: "Se eles lá não fazem nada, faremos tudo daqui".

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Black is Beautiful. Racismo não é


Black is Beautiful (Negro é lindo) é um movimento iniciado na década de 1960 nos EUAses a fim de afirmar a beleza dos traços afrodescendentes. Sabemos que a sociedade é racista e que desde que o europeu inventou de sequestrar e roubar pessoas negras da África pra Europa e Américas que esse quadro permanece, perdão pelo trocadilho, negro. Sabendo que o racismo assola o mundo, a referida campanha veio pra desconstruir aquele racismo internalizado que subconscientemente diz que os traços negros não são lá tão atraentes, bonitos ou simpáticos.

Pensa aí em quantas vezes até você mesmo que está lendo isso não olhou um negro e um branco e automaticamente achou o branco mais atraente sem motivo, aparentemente, nenhum. Pois é. O negro não é escolhido pra galã, no máximo, um símbolo sexual relacionado quase que a uma libido selvagem e insaciável. Mas beleza mesmo, aquela coisa pura, quase romântica, essa não é pro negro nem lá nem aqui. E é por isso que o movimento Black is Beautiful ganhou o mundo. Porque o negro precisava se afirmar como um ser humano e não como uma caricatura, como naqueles desenhos em que o cara explode e de branco fica com nítidas características afro, dando a entender que o negro é um branco defeituoso, queimado, sujo ou pintado. O ser humano que deu errado.

Aí, aparece a tal da campanha de papel higiênico preto e eu nem aí pra ela. Confesso que quase não assisto TV aberta – justamente por não me ver representado na telinha – e tava fazendo igual a uma vaca pra esse comercial (tá ligado, vaca, ela caga e anda – Rá!). O que me atentou pra essa campanha, estrelada pela ruiva que virou fantasma naquela novela de 90 atores brancos e só dois negros sem falas, foi o slogan: Black is Beautiful.

Confesso que antes de saber do slogan, eu nem tinha visto racismo e não tinha entendido porque a atriz se disse tão arrependida, tentando até já se desvencilhar da marca (claro, eu nunca acredito que é arrependimento pela ofensa, mas sim por arriscar ficar com o filme queimado para a próxima propaganda milionária). Aí, uma amiga (minha) me marcou numa publicação de uma amiga (dela) em que a moça também não teria visto racismo ali, alegando que as pessoas estão vendo racismo em tudo, que é vitimismo, mimimi e bobobó...

Pois é, mas vendo a campanha com o slogan, percebi como fui distraído. Não é a cor do papel em si, é o próprio slogan. A frase tem um contexto de forte luta por justiça social e racial e quando é usada como um simples trocadilho, ela perde todo o significado. Esvazia o empoderamento do negro. E, na boa, isso é como colocar o nome da sua mãe na sua cadela de estimação. Soa forte, né? Soa agressivo, né? Você acha que melhora dizer pras pessoas que nomeou um animal pra homenagear uma pessoa querida? É assim que eu vejo.

Dê uma boa olhada na imagem que ilustra este texto. Dei um Google pouco antes de iniciar estas palavras. Na seção imagens do Google, você joga a frase e olha o que aparece. Sim, imagens relacionadas ao empoderamento da auto-estima do negro. Mas aparecem uns resultados pingados de um papel higiênico que, por uma questão de linguística, leva o mesmo adjetivo. Racismo não é só quando alguém te xinga ou atira em você dizendo que é por sua cor. Racismo – que não é só questão de opinião e se for, tadinhx – também é quando alguém usa uma poderosa ferramenta de nossa luta por respeito e contra o racismo, pra vender papel higiênico.

Sinto muito, Marina, mas a campanha é racista sim. Não é agressiva, é cínica e desleixada. No mínimo o racismo ali foi por falta de consideração com o próximo. Como quando você faz uma piada de gordo e ignora que algumas pessoas na roda de conversa são gordas. Pode ter o atingido que não vai ligar, como muitos negros Holiday se acham mais legais aturando racismo e fingindo não ver, mas não é porque você releva um tapa que a porrada não aconteceu. A frase Black is Beautiful foi um marco na luta por direitos civis nos EUAses e já virou até nome de música por aqui.

Ou o erro foi por usar uma frase sem saber do real significado social dela ou foi uma maldade bem mesquinha. Acontece. A gente é passível de falar uma besteira por faltar informações importantes, vejo muita gente fazendo isso com boatos de internet, principalmente sobre política. O mais sensato é admitir, foi mal aê, vamos melhorar na próxima. Mas negar o racismo é bizarro. É fechar os olhos e dizer que não está lá porque você desprezou.

Na minha opinião direta e sincera (não tenho outro jeito que me interesse de ser) isso é, sim, uma provocação gratuita. Aliás, gratuita não, barata e muito mais rentável pra quem faz. Pensa comigo, gafanhoto, às vésperas do mês onde se localiza o dia da consciência negra, eles lançam um produto remetendo à cultura negra, tipo a Dove fez há algumas semanas dando a entender que depois do produto a mulher negra vira branca, como se fosse sujeira...


Dá burburinho, viraliza, militantes como eu, vão à internet repudiar, se manifestar – e dar um pouquinho de ibope pra eles por tabela – e.... E... E aí, eles estão ganhando propaganda a baixo custo pra um produto que até mesmo muito negro vai comprar. Eu estudei publicidade por um ano antes de ir pro jornalismo e uma coisa é certa: Não se lança uma vírgula no mercado sem um estudo minucioso sobre intenções de alcance de público, o tipo de público, o custo que vai gerar, etc... Essa parte do marketing estabelece cada de talhe a ser considerado pra que o produto seja vendido da melhor maneira. Aliás, o produto não, a ideia do produto. 

Por exemplo, não se vende um carro, você vende conforto, segurança, sensação de poder e liberdade, sacou? E o que Personal vende? Uma polemicazinha de graça pra propagar ainda mais seu produto diferenciado. Não é um racismo direto, é uma alfinetada pra fazer barulho.

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Rose, chega pra lá! Jack podia se salvar


O cientista Neil DeGrasse Tyson (aquele do meme ‘ui, ele é o bonzão’, que fez sucesso há alguns anos), deu uma entrevista recentemente ao site The Huffington Post, onde falou sobre uma polêmica que persegue o filme Titanic (1997). Pois bem, Tyson falou especificamente sobre a controversa cena, lá pro final do filme, em que Jack (Leonardo Dicaprio) e Rose (Kate Winslet) procuram, literalmente, uma tábua de salvação. Ele falou:

“Ele tentou uma vez e decidiu morrer congelado na água. Não! O nosso instinto de sobrevivência é muito mais forte do que aquilo em qualquer pessoa, especialmente naquele personagem. Ele é um sobrevivente, certo? Ele deveria ter se esforçado mais”.


E eu sempre achei isso mesmo. O cara frisa no começo do filme que é um sobrevivente, ele fala pra própria garota que vai dar um jeito de sobreviver, quando a convenceu a ir sem ele num bote, e nem bem tentou se apoiar, já se conformou em deixá-la só? E outra, não estamos falando de um romantismo cinematográfico, estamos falando de pessoas em meio a um naufrágio, num mar congelante.


Pensando bem, ele já tinha demonstrado grande sagacidade ao procurar uma das extremidades do navio já prevendo que ao afundar, aquela parte os deixaria na superfície, não arrastando-os pro fundo. Até previu que o repuxo ia submergi-los por instantes... aí, na hora mais calma de buscar um apoio... Caras, graças aos deuses do cinema, os dois eram magros e estatura mediana, ou seja, nada que impedisse uma distribuição de peso igualitária.


Enquanto tem gente que vê uma barata e escala um sofá melhor que muito alpinista por aí, os caras estavam boiando em gelo e o fanfarrão deixa de lado um aviso que ele mesmo passou à namorada em sua primeira conversa. Quando Rose pensava em se jogar do navio para fugir de uma vida superficial e opressiva, ele avisou que além da queda, ia sofrer com o frio alucinante. Comparou com um monte de facadas simultâneas e tudo.






Enfim, se um cientista fala que sim, então eu sei que estive no caminho certo esse tempo todo (risos). Não adianta nem o diretor James Cameron ficar irritado, como sempre fica ao ser perguntado sobre isso.


O importante é que hoje, com o aquecimento global e todas as modificações que a natureza vem sofrendo e/ou passando, a realidade agora é outra:

































Violência Psicológica


Todo e qualquer relacionamento em que uma parte precisa se sentir dominante através do ataque à auto-estima/auto-confiança/amor próprio do outro É UM RELACIONAMENTO ABUSIVO! Pode variar até o nome (assédio, bullying, etc), mas tudo causa o mesmo efeito... ou melhor, a mesma gama de efeitos.

Nem sempre transparece, mas isso causa ataque de ansiedade, insegurança e, muitas vezes, a sensação de dependência emocional da parte oprimida. É quando a pessoa faz parecer um gesto de carinho xingamentos, críticas e outras formas de limitar e controlar o comportamento alheio. Sobretudo mulheres e crianças, entre outros tipos de condições, como emprego, escola, casa, etc.

Sabe aquele cachorrinho que mesmo apanhando se mantém fiel ao dono, fazendo de tudo pra agradar? Pois é, essa é a pessoa sofrendo abuso psicológico de quem acha que precisa ter amor. São sinais como rejeição, indiferença, crítica, humilhação, ameaças e outros que provam o quão estúpida é a pessoa que pratica e não a que sofre.

Não permita. Não se encolha com o rabo entre as pernas. A parte culpada é a que controla. Essa parte é a que depende de alguém pra se sentir menos insignificante. Essa é a parte que precisa de um psicólogo já. Na boca de quem não presta, o oprimido não serve pra nada. Engraçado que pra estar ali à disposição dos insultos, ela presta (?).

E eu nem preciso falar de quando a opressão chega ao campo físico, né? Mas a violência psicológica não deixa hematomas, acaba sendo mais complicado de perceber em si e nos outros. Dependa de si e não dos outros. Muito menos de quem deveria acolher com amor e proteção, mas, pelo contrário, age com mais crueldade do que um estranho da rua.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Maísa, Gentili, Vodca e o Estatuto da Criança e do Adolescente do SBT



Lá vem o SBT, de novo, ser o SBT, saca, aquele climão de casa da mãe Joana, como se fosse um galpão dividido entre o que Silvio Santos controla como seu quarto de zueira em casa e a outra metade aquela que acontece de tudo que o patrão não tá vendo, ou está avoado demais assinando cheques e sorrindo feito um bonecão de Olinda.

Bem, o imbróglio da vez é com menina Maísa Silva. Sim, ela de novo, parece que o SBT tem alguma obcessão em perturbar o juízo da garota. Não sei se eles acham que ela crescendo pode perder aquele encanto que as pessoas têm e, por isso, inventam outras formas d’ela chamar atenção... sei lá, caras, é muito estranho. Parece que Silvio Santos, além de maníaco, tá deixando seus empregados alucinados também. Parece que todos passam pela porta da emissora e levam uma borrifada de gás de babaquice, estilão Coringa, nas histórias do Batman (perdão, Bátema), saca?

Danilo Gentili (eterno engraçaralho da sexta série) serviu vodca para Maísa, quando a mocinha participou como entrevistada em seu programa, The Noite. Era só uma piada, né? Esse é o ordão que todo babaca usa quando passa do limite do respeito, mas não quer responder por isso. Afinal, se já foi ofensivo, não vai ser na hora de reconhecer isso que o cara vai fazer nascer dignidade dentro daquela cabecinha pseudo-humorística (friso sempre, piadas depreciativas não são humor, são só ofensas em tom sarcástico). Bem, no fim das contas, pegou mal.

Pegou tão mal, mas tão mal, que a própria Maísa se chateou na hora e a própria direção do canal pode tomar medidas quanto a isso. Primeiro, porque Maísa tem apenas 15 anos, menor de idade protegida pelo Estatudo da Criança e do Adolescente, onde se lê que oferecer bebida alcoólica ou qualquer substância que provoque dependência é crime. Depois, mesmo que não fosse menor de idade, sendo adulta, mas tendo algum problema em relação à bebida alcoólica? Se a garota desmaia ou tem algum revertério?

Bem, como eu sou paranoico, não descarto a possibilidade de tudo ser um grande truque entre todos os envolvidos. Vai que era só água, mas a menina, atriz, faz aquela cena e atrai interesse do público... Não duvido, mas não acredito também. Enfim, as medidas punitivas para essas atitudes insanas são tão amenas, que, sinceramente, tenho dificuldade em decidir se acredito que a legislação é tão ignorada ou se é tudo combinado, e por isso nada é feito de forma efetiva.

Em todo caso, sendo fingimento ou uma legítima babaquice, não cabe dizer ‘era só brincadeirinha’. Não se menciona álcool oferecido a adolescentes em rede nacional de um canal aberto sem falar nas consequências nocivas que isso traz. Mais uma bola fora do SBT e seu contratado.


Fonte: http://entretenimento.r7.com/blogs/keila-jimenez/2017/10/11/danilo-gentili-pode-ate-ser-preso-por-dar-bebida-para-maisa-em-programa/  

Feminismo não é o contrário de machismo





“Machismo significa a concepção de que mulheres são subordinadas aos homens. O feminismo, por sua vez, não é o contrário de machismo. O feminismo não supõe que homens são subordinados às mulheres, mas que homens e mulheres são iguais.”
-Mario Sergio Cortella


Se você acha natural que haja ‘tarefas masculinas’ e ‘tarefas femininas’, moçx, você é machista. “Ah, dirigir é coisa pra homem”, ‘ah, cuidar dos afazeres domésticos é pra mulheres’... olha, isso tudo, sinto muito te diagnosticar com péssimas notícias: Você é machista.

Bem, não fica muito pra se explicar depois das sábias, simples e diretas palavras do intelectual Mario Cortella (não á toa, é um dos mais respeitados do Brasil). Mas eu sou teimoso e vou falar mesmo assim, porque tem pontos que as pessoas simplesmente não entendem, ignoram e mesmo assim querem sair por aí cuspindo opiniões. Opiniões, óbvio, sem a menor base de conhecimento pra tanto. Mas como eles não se envergonham, a gente ajuda a diminuir o constrangimento alheio.

Algumas das questões que mais vejo por aí, vou responder, até porque , enquanto homem de uma sociedade machista, não passei imune por alguns desses exemplos que vou citar, ou seja, conhecimento de causa na ignorância que o senso comum me proporcionou e, graças ao bom universo, mandei pro caixa-prego. E tudo começa numa mesma frase:

Feminismo é machismo ao contrário?


Essa é a mais clássica. É dessa raiz que saem aberrações do pensamento humano como ‘negros são os mais racistas’ ou ‘usando essa saia curta, depois não reclama de ser assediada’. É o ser humano maldoso que não quer se ver no lugar questionado, acha que está certo colocando o erro no coleguinha. Mas vamos lá:

Machismo é um sistema. Há milênios, a humanidade era repleta de sociedades comandadas por mulheres, sociedades matriarcais, sobretudo na África. O que aconteceu, foi que em algum momento, o patriarcado (domínio de homens) subjugou as mulheres e assumiram na base da força o comando das decisões da sociedade e, pra isso, diminuíram, ou melhor, rebaixaram a mulher de qualquer posto de comando.

Aí, entrou em vigor o tal sistema. Não é só uma opinião quando você acha que mulheres lavam e passam roupa melhor, é fruto desse sistema de condicionamento da mulher a uma posição subalterna. Quem nunca viu uma mulher ser questionada ao chegar a um cargo de supervisão, presidência e afins? “Tinha que ser mulher”. E esse sistema questiona a mulher em posição de liderança, coloca ela como a barraqueira, quando é contestadora, atribui seus problemas emocionais à TPM, diz que ela não pode assumir muitas responsabilidades fora de casa porque seus hormônios a farão passional e isso prejudicará suas decisões... Enfim, deu pra sacar, né?

O machismo, por outro lado, favorece o homem em questões inúteis e estúpidas. É como se o machismo fosse aquele grupinho de meninos formando um clubinho onde não entra meninas, mas como se trata de toda a sociedade, então, o homem percebe que não pode viver num mundo sem mulheres, mas formulou um jeito de fazer isso sem admitir que elas podem ser melhores na administração do clubinho gigante. Aí, reduz a mulher a tarefas domésticas, sexo e companhia calada ou fazendo elogios à masculinidade do marmanjo. E quando aceitam – ou precisam sem admitir – que elas trabalhem fora, pagam menos. Porque? É o mesmo trabalho!

As pessoas veem aqueles grupos ditos feministas de mulheres seminuas fazendo algazarra em manifestações e acham que aquilo é feminismo. Ou seja, a mulher é uma histérica, essa é a diferença pra eles, né? Sabe quando a gente não quer que a criança se arrisque a se machucar então diz que ela não vai conseguir e proíbe? É isso que o machismo faz com as mulheres. Coloca a culpa de tudo nelas. Se elas andarem um milímetro fora do que o machismo quer, o machismo as culpa.


A sociedade machista, por exemplo, aceitou que elas usassem roupas curtas, mas se usarem, estarão pedindo por assédio, estupro e não são moças direitas pra casar. Porque o caráter da mulher é medido  na seguinte maneira: Quanto mais ela fizer o que o machismo quer, mais valor ela vai ter pra ser a secretárias de cama, mesa e banho de algum marmanjo que só vai substituir a mãe pela esposa, numa das maiores ironias do mundo, que é provar ser um completo dependente de quem se quer oprimir. Mulheres se tornam receptáculos de descendentes, com direito a cozinhar e lavar nos intervalos e só.

Agora, quando uma mulher defende seu direito de ocupar o lugar que quiser (ou que não quiser, como filhos, casamento, etc), ou mesmo nem defende, mas age dessa forma, independente, aí, ela estará sendo julgada e, mesmo que não perceba, estará sendo feminista. Essa é a diferença entre machismo e feminismo:

Machismo é a dominação do homem sobre a mulher. Feminismo é a reivindicação da mulher por igualdade. Por isso, nunca existirá, na minha opinião, uma sociedade feminista, porque o feminismo é a defesa da mulher contra a opressão, enquanto o machismo sim, quer reduzir as possibilidades da mulher e torná-la mera figura decorativa.

Feminismo não prega estupro pra homem sem camisa, não diz que ele está pedindo por assédio quando bebe, se homem falar palavrão, não dizem que ele não tem modos, não defende mulheres agredindo parceiros adúlteros, não diz ‘ela não resistiu à cantada, mas ela é mulher e mulher é assim mesmo’, não prega que lugar de homem é na cozinha e outros.

Aliás, perceba como o machismo é um sistema e não uma força da natureza criada por deus (sim, religiosos conservadores medievais, estou apontando pra vocês nessa frase). O machismo é tão escroto que ele despreza o homem gay, numa visão de que um homem se comportar ‘como mulher’ é humilhante e também despreza a mulher gay, porque é uma mulher cometendo o abuso de se portar ‘como homem’. O mesmo vale para homens e mulheres trans. Ou seja, só o homem cis e hétero é que é realmente superior.

E até para homens ele é opressivo. Se o cara não agir como se estivesse num comercial do AXE, ele é desdenhado pelos outros homens-pica grossa-superior-das-galáxias. Ou seja, é bem excludente, se parar pra pensar. Reduza o grupo e você terá mais chances de ganhar a liderança um dia. E nem toquei no assunto racial, hein! Porque entre um homem branco e um homem preto, sabemos quem tem cara de médico e de presidente e quem tem cara de jogador de futebol e de bandido, né? Mas isso vai ficar pra outra hora. Por enquanto fico com minhas explanações ‘for dummies’ para homens que ignoram assuntos, mas querem falar. Mulheres também fazem isso, mas me incomoda mais homens falando. Deve ser porque eu me vejo no passado reproduzindo essas b8stas e me sinto envergonhado. Vou consultar meu psicólogo enquanto você reflete neste texto.

E se algum teimoso ainda insistir em morar na areia movediça da ignorância... Só lamento. Não discuto.


quarta-feira, 4 de outubro de 2017

É mentira: Número de celular que clona seu telefone



Você já deve ter visto por aí, no meio de milhões de mensagens de ‘alertas’ contra algum ‘novo golpe’, essa ‘nova tática’ dos bandidos, não? Se você conseguiu passar sem isso aparecer em sua vida, beleza, até porque não faz diferença nenhuma. Agora, se você esbarrou com essa trolha, então, possívelmente, é porque alguém acreditou no que leu sem nem se preocupar se era verdade e saiu repassando, comendo alguns Kb de sua memória, quiçá, até de seu pacote de dados.

Acontece que essa perda de tempo é comum nesses casos, a pessoa vai lá, se deixa levar pelo clima de emergência e sai compartilhando. Porque tem um senso de comunidade e quer informar ao coleguinha? Não! Porque quer parecer a pessoa mais esperta e antenada da internet? Possivelmente! Porque confunde likes e views com carinho e atenção? Certamente! Pessoas carentes são mais propensas a repassarem coisas que terminem com ‘repasse/compartilhe’, pois é o momento que têm certeza de que alguém está olhando.

Mas voltando, esse número, em pesquisa do site Quatro Cantos, era do atendimento da operadora de celulares Vivo, mas que foi desativado por não ser mais atendido. Tá, não chega a ser ruim, já que operadoras ligando nunca é pra oferecer coisas legais, só mais gastos, mas esse não é o ponto. A questão é que repassando mentiras, pessoas de verdade podem ser prejudicadas. Nesse caso, não, é só uma mentira que, no máximo, privou alguns clientes de aumentarem suas despesas com planos telefônicos. Mas e se fosse o caso de difamar uma pessoa, por exemplo?

Há algumas décadas que esse tipo de anúncio alarmista rola por aí, antes era repassado por e-mails, depois redes sociais e agora por whatsapp. É igual aquelas lendas do cara que derreteu no tanque de coca-cola, mais uma lenda urbana. Até porque não existe isso de clonar um telefone apenas ligando pra ele. E com o avanço da tecnologia, essa mensagem, além de mentirosa, ainda ficou ultrapassada. Se você acreditar que um número vai clonar o seu só de atende-lo, vai começar a achar também que vírus de computador transmite doenças.


Para enquanto é tempo, pra não ficar feio. Ninguém deveria repassar assuntos que não conhecem, muito menos sair acreditando em tudo que lê e ainda repassar como se tivesse comprovado a veracidade de perto.  



Fonte: http://www.boatos.org/tecnologia/balela-numero-de-telefone-11-9965-0000-clona-o-seu-telefone.html

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Heineken, Queen e... isso me irrita bastante!



O que tem esse comercial da Heineken? Bem... me irrita! E em tantos níveis que tenho que enumerar. Mas antes, quero dizer que não é nada contra a música em si. Na verdade, eu até vou falar por ela também.

Bohemian Rhapsody

 A música do Queen é uma pérola. Sempre achei o Qeen mais pra farofa do que pra ecletismo, dadas suas nuances meio misturebas, mas vá lá, eram os anos 80/90 e eu sempre gostei de um som inusitado que me exercitasse a imaginação. Principalmente na hora em que ela explode com a guitarra distorcida, bateria derrubando tudo, baixo quebrando a banca e o vocal aprumado de Fred Mercury. A música é a única coisa que não pode levar a culpa nesse comercial brabo.

Mundo de Wayne



Foi nesse filme que conheci a música (aquela cena do carro, com Wayne seus amigos cantando é legen - espere por isso - dária). No idioma original (inglês), o filme se chama Wayne’s World (O Mundo de Wayne), que, na verdade, era um personagem de Mike Myers no clássico humorístico estadunidense, Saturday Night Live. Wayne era a sátira aos adolescentes da geração MTV. Pois bem, aqui no Brasil, o filme baseado no quadro do SNL ganhou o nome de – respire fundo – Quanto Mais Idiota Melhor. Caras, uma paródia comportamental de um fenômeno da cultura pop virando filme e o que os gênios da tradução aqui fazem? Transformam num rótulo do mais puro ‘besteirol’, já passando a ideia de que o filme é um amontoado de idiotices e não um longa sobre jovens daquela época. Parabéns, campeões!

Heineken, não te odeio tanto assim




A cerveja pode ser mais amarga que as que eu costumo beber, talvez um pouco mais cara na relação custo-quantidade e até apanhar por tabela por estar na modinha aplayboyzada, mas a cerveja tem seu mérito: Possui como símbolo uma estrela vermelha que foi o pesadelo dos coxinhas direitistas nas eleições presidenciais passadas (aquelas anuladas pelo golpe do – fora - Temer). É que alguns imbecis acharam de falar que a cerveja fazia uma apologia ao PT, com a mensagem subliminar da estrela vermelha (segundo eles, comunista).


Bucky, o Soldado Invernal, também seria militante do PT? Vai saber...

No apanhadão geral

É irritante ver aquele monte de desafinado cantando em cortes que mal dá pra reconhcer a música em alguns trechos... Feio, Heineken. Ai, ai,ai!

Conclusão

Minha opinião não faz a menor diferença no mundo. Volte a seus afazeres. Rá!


Ps: Acho mesmo o comercial uma poia. 

Agora, fique com a música original e esqueça aquela trolha que é o comercial.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

E a cura da homofobia? Cadê o projeto?



Tão ridículo quanto possa parecer é um juiz se preocupar em aprovar 'cura gay'. Sério, no mesmo país onde um outro juiz libera um tarado da prisão ou alivia agressões físicas como 'pequeno corretivo físico', sem contar com o juiz que quer virar popstar perseguindo um ex-presidente enquanto o atual, que chegou lá por meio de um golpe, está lá de boas... Daí, que o tal juiz de lá do caixa-prego pra permitir que haja 'reorientação sexual' para gays que, eventualmente, não queiram ser gays... Existem tantas, mas tantas questões a se levantar sobre isso que eu vou só sobrevoar algumas.

Há pouco tempo, escrevi sobre uma teoria minha de que Frozen poderia ser uma alegoria a uma possível homossexualidade de Elsa, seu afastamento de seu povo por não ser aceita como é e por ter cansado de ser a menina boa das conveniências da sociedade... Pois bem, lembrei que já escrevi aqui também sobre uma cena de X-Men 2, quando Bobby Drake, o Homem de Gelo, revela à sua família ser um mutante.

Diante do choque de seu povo, sua mãe pergunta se ele já tentou não ser ‘isso’ (mutante, ou gay, se você usar a referência na vida real). Além do gelo ser o poder da pessoa questionada, a ideia de que o outro deve mudar pra agradar a maioria é o ponto da questão. Será que temos o direito de querer que o outro seja como nós achamos que tem que ser? Mesmo que fosse um gesto lindo de boa vontade, será que a simples cogitação de aceitar um tratamento desses já não indica que os errados são os que pressionam pela mudança? Com que direito? Haver gays obriga um hétero a virar gay? Por isso a fobia? Por isso a homofobia?



Nem se chama mais ‘homossexualismo’, pois o termo com sufixo ‘ismo’, neste caso, era uma menção pejorativa de ‘doença’. Há décadas que isso mudou e agora vem esse retrocesso. Na boa, acho que isso cai com o tempo. A gente faz barulho num primeiro momento, mas depois isso se apaga. É que a era da internet faz parecer algo intenso, porque por alguns dias, a notícia é viralizada com intensidade. Depois passa, então, vamos apenas aproveitar a onda de maconha que essa gente tem no cérebro por achar normal que gays possam ser lobotomizados com autorização judicial e isso não seria indicação de que o mundo precisa explodir o quanto antes, pra não piorar a fita do universo. Mas, voltando...

Quantos aceitariam fazer como a Vampira, de X-Men 3, e abandonar tudo pra ser ‘normal’, apenas porque a sociedade vê como anormal algo que é normal? E quantos cobrariam que o próximo se transformasse sabendo que isso pode trazer toda uma gama de frustração e infelicidade, além de auto-punição e pouca auto-estima? E mais, com tanta criminalidade, corrupção, ‘jeitinho brasileiro’, exploração da fé alheia, trocas de favores e interesses, racismo, machismo, etc, etc... Com tudo isso de realmente errado no país e no mundo, é a homossexualidade que eles querem ‘redirecionar’ para o ‘normal‘? Muito estranho e tendencioso... fascista até.

Acho que se propuséssemos a reorientação religiosa, por exemplo, ou a reorientação de interesses, tirando a ambição pelo dinheiro, eles iriam chiar. A reorientação para deixar as pessoas livres sem insistência em seguir regras sociais pra obedecer instituições religiosas, como quem faz o que o próprio pai manda... Acho que essa moda não pega, né? É tudo parte de um plano maior, um levante nazi-fascista silencioso que está aumentando. Da última vez, virou o que chamamos de ditadura militar, hoje em dia, com tanto bolsomerda por aí, sei lá...



Aff... no geral, essa tal ‘cura gay’ só vai gerar uma guerra ideológica que eles mesmos vão perder, essa gente que defende qualquer forma de discriminação, seja oficial ou por piadinha que for... Nunca se pode ir contra o povo. Já estou ligando pra um monte de amigues pra perguntar se estão bem, afinal, o que vai dar de atestado médico e aposentadoria por invalidez nos memes não está no gibi (nem no congresso). Agora, veja você, sugerir e aprovar a lavagem cerebral (sim, é isso que essa tal cura/reorientação é) ... Feliz 1717!!!

Próximos passos: Choques elétricos para curar esquizofrenia, queimar pessoas sob acusação de bruxaria, a classe burguesa dançando um minueto entre uma execução e outra, mas com a diferença que hoje em dia tem internet e celulares com câmeras. Pessoas morrem por ser gays, ou seja, outras pessoas MATAM gays. Não são os gays que precisam ser curados, mas os psicopatas que têm peito pra agredir e matar apenas por maldade.


P.s: Não se propõe cura pra quem tem cisma com gay também não? Acho que esse pacotão de absurdo pode fazer sentido se você pagar um tratamento psicológico pra quem toma conta da vida dos outros em vez de respeitar e parar de olhar pela janela alheia... Na boa, pra mim, isso é coisa de quem adoraria se libertar das amarras do preconceito auto-imposto e vestir a bandeira do arco-íris. Mas como não pode porque teme o preconceito, acaba não se aceitando nem aceitando os que têm coragem, ou são menos sutis em demonstrar quem são. Sabe quando um preguiçoso odeia ver um trabalhador porque isso o fazx parecer ainda mais preguiçoso pra sim mesmo? Pois é...

"Algumas pessoas são gays. Supere isso!". É o Magneto falando, caras, deixa de preconceito e vai viver!

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Frozen: Um grito congelante por igualdade?



E se o poder de gelo de Elsa fosse uma alegoria para a 'frieza' com que são vistas as mulheres homossexuais, tornando-as diferentes da maioria da população? 

Ela só seria aceita - ou pelo menos respeitada - por seu povo quando sua irmã demonstrasse o verdadeiro amor de defendê-la e apoiá-la perante aqueles que a odeiam apenas por ela ser quem é. 

Aí, ela não precisaria viver à parte da sociedade, feliz em ser ela mesma, mas incompleta por estar distante de quem ama. Poderia viver em seu próprio povo como a pessoa normal que é, apesar de diferente da maioria.


E na música principal do filme? Frases bem decididas sobre deixar uma vida convencional pra trás em troca de liberdade de ser e as inúmeras referências ao frio fora da vida comportada deixada pra trás e o fato de não precisar mais se conter ou se esconder agora que 'eles sabem'... Pense nisso enquanto assiste ao vídeo lá no final do texto. Coloco até uma livre tradução minha. 

Seria, Elsa, um grito aflito por respeito e amor? É claro... que são apenas suposições dessa minha mente estranha, assim como há, também, teorias de que Anna é uma alegoria ao feminismo, percebendo que não precisa de um homem para ser feliz ou vendo que seu amor verdadeiro não deva passar por esse homem antes de sua própria família, etc... 


Adoro teorias, mas me conformo que sejam apenas isso. Não tira o valor da possibilidade, até porque, cinema é bem isso aí, a imaginação viajando pelo tema proposto.

Afinal, convenhamos, se você tem mais de 8 anos de idade, o filme é bem raso pela história contada sem quase desenvolvimento de profundidade dos personagens. Aliás, isso até reforça minhas teorias, afinal, trabalhar demais a personalidade de um personagem poderia torna-lo muito pouco sutil, não dando chance às várias teorias que podem surgir. Imagina quantos debates se pode levantar sobre esses pontos de vista? 

Bem mais interessante que ficar pensando em porque Anna se dispôs a casar com o primeiro que apareceu, sem nem conhecer, ou porque Elsa conseguia controlar a criomancia (poder sobre o frio) de luvas e não sem elas... Sacou? Isso faz o filme parecer raso, diferente da minha proposição de que ele tenha sido uma forma subliminar de driblar o conservadorismo da sociedade e sugerir a discussão até entre quem nem percebeu as analogias.

Divertido pensar em pessoas discutindo sobre a solidão de Elsa e a carência de Anna sem entenderem que podem estar defendendo a liberdade afetivo-sexual e igualdade de gêneros, coisa que eu sei que muita gente seria contra só porque acha errado por contrariar a 'tradicional família brasileira' (portuguesa cristã da inquisição dos últimos dias medievais, né?).


Enfim, Frozen é muito mais legal vista por um ângulo assim. Conservadores e discriminadores que se lasquem, o mundo é de quem evolui para o amor ao próximo e Darwin um dia comprova que essa espécie preconceituosa vai sumir por não evoluir (ou não assumir, né... quem desdenha...vai saber). 

Anyway, let it go...


A neve brilha branca na montanha esta noite
Nenhuma pegada pode ser vista
Um reino de isolamento, e parece que eu sou a rainha
O vento está uivando
Como se essa tempestade rodopiasse dentro de mim
Não consegui conter
o céu sabe que eu tentei

Não os deixe entrar, não os deixe ver
Seja a boa menina que você sempre teve que ser
Esconda, não sinta, não deixe que eles saibam
Bem, agora eles sabem

Deixe ir, deixe ir
Não posso mais suportar
Deixe ir, deixe ir
Dou as costas e bato a porta
Eu não me importo com o que eles vão dizer
Deixe a tempestade desabar

É engraçado como um pouco de distância
Faz tudo parecer pequeno
E os medos que uma vez me controlaram
Não chega nem perto de mim
Bem aqui no ar frio, eu finalmente posso respirar
É tempo de ver do que sou capaz
Testar os limites e descobrir
Sem certo, nem errado, sem regras pra mim
Estou livre!

Deixe ir, deixe ir
Eu sou uma só com o vento e o céu
Deixe ir, deixe ir
Vocês nunca vão me ver chorar
Aqui estou e aqui vou ficar
Deixe a tempestade desabar

Meu poder flui do ar até o chão
Minha alma são fragmentos congelados 
Girando por toda parte 
E um pensamento cristaliza
Como um raio congelante
Eu nunca vou voltar, o passado está no passado

Deixe ir, deixe ir
E eu vou surgir como o despontar do amanhecer
Deixe ir, deixe ir
A garota perfeita se foi
Aqui estou, na luz do dia
Deixe a tempestade desabar
O frio nunca me incomodou mesmo

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Um mal dos séculos: Apropriação cultural


Anitta é o exemplo mais atual de apropriação. Para e pensa: Fez de tudo pra garantir uma aparência branquinha, afinou nariz, alisou cabelo, deixou a capa de funkeira pra se afirmar pop e quando está se tornando tudo que a mídia empurrar como bonito e limpinho, aí, quer abusar da sensualidade, dreads, lábios preenchidos e tudo mais? Qual a mensagem? Que ser negra ou afrodescendente não, mas que pode pegar o que for conveniente pra criar uma imagem pré-fabricada.
Quando uma cultura pertence a um grupo representado nas classes trabalhadoras e mais pobres, é normal a sociedade e a própria mídia desprezá-la e até dizer que nem cultura é, ou que é um mal da sociedade. Quantos não falaram e ainda falam que funk é coisa de animal, que é coisa de favelado e de bandido? Aí, de uns anos pra cá, algumas pessoas que nem oriundas dessa cultura são, resolvem dar um gás na comercialização dessa cultura na forma de produtos (artistas e músicas), não porque se renderam ao ritmo, mas porque viram cifrões sobre as cabeças dessas pessoas, e, nada melhor que escolher essas pessoas. Daí aparecem funkeiros brancos, ricos, classe média, do tipo que nunca entraram num baile funk de verdade. O tipo do funkeiro que pode ser adestrado e comandado por eles, sem risco de querer ser autêntico demais e não moldado conforme o mercado. São de ocasião. Isso é apropriação cultural.

Não é porque vivemos numa democracia e que todos têm a liberdade de gostar do que quiserem que o roubo intelectual, moral e comercial não aconteceu. Visto que muito funkeiro aí passa fome enquanto uma meia dúzia é tida como diva, como herói e popstar. É por isso que não se engole essas festas favoritas da vida como legítima manifestação popular. É como você querer o que o pobre tem pra ganhar dinheiro em cima disso, mas sem que o pobre usufrua do lucro que sua própria cultura tem a oferecer.


Aí, contratam esses figurantes de luxo pra vender, massificam a mídia com informações inúteis sobre essas pseudo-estrelas e - ZAZ - nasceu seu produto na pratelheira. Antes do pagode e do funk serem experimentados na mídia, ninguém dava a mínima, era coisa de preto, pobre, gente sem cultura e outras barbaridades... mas quando se tira da mão do pobre e coloca na mão (UIA!) do classe média/alta, filho do diretor, filha da madame, aí, eles tratam a pão-de-ló. Repare nas novelas, por exemplo, quando o foco é a favela... o protagonista é o branco e o preto é o amigo fiel em 90% ou mais das produções. Veja os egípcios (continente africano) da novela bíblica, brancos pintados, diferente de quando os africanos retratados são escravos ou criminosos, aí é preto saindo até pelo telhado.

O problema todo, pra eles, é deixar o pobre subir, quando eles garantem seu protecionismo, aí, eles estão felizes e o pobre fica contente em achar que se vê representado, porque sua música toca na rádio e na balada, mesmo que não seja ele ganhando por aquilo. É assim que vemos essa 'festa na senzala' que é o funk ostentação, os Esquenta da vida e divas pop que nasceram outro dia mesmo, mas já têm panfletagem pra uma era inteira. Rapidamente o histórico de vida simples vira um dramalhão de pobreza e dificuldades (porque o povão adora uma história de superação pra se identificar por catarse).



Quem não sabe que Chuck Berry foi o criador do Rock 'N Rol,
mas, negro, viu seu 'cargo' ser usurpado pela mídia em prol do
branco Elvis Presley, para uma sociedade majoritariamente
branca, um rei ameno e controlável, do jeito que gostavam.
Desde a antiguidade que isso acontece. Não é? Vejamos o europeu roubando as terras e riquezas naturais do índio, do negro, isso, só no Brasil. Quantos não sobem morros pra aprender e depois ganhar dinheiro nas casas fechadas a alta sociedade? Não é roubo cultural? Apropriação? É sim! Não estão compartilhando a arte, estão se apropriando e ganhando com aquilo. Não é um movimento cultural, o pobre que originou aquela cultura não está sendo enaltecido, está sendo mencionado como fato histórico, mas não é o convidado na festinha onde seu esforço é imitado pelo rico que teve a condição de estudar aquilo até parecer com o autêntico. Se for convidado, o pobre deve ganhar o honroso cargo de garçon na festa do rico.

Egito na vida real é africano, na novela bíblica, é branco pintado
de amarelo. Tipo, negros não podem ser reis, só escravos?
E tudo piora quando o pobre é influenciado a achar que tem que ser rico e não a desprezar essa riqueza, porque, a bem da verdade, não faz diferença nenhuma em sua vida, ou não deveria fazer, ou ainda, não faria se o povo percebesse que é só dizer 'ei, ninguém mais vai te seguir, você é que precisa de nós e nós não queremos te servir'... mas sei que é uma utopia e que minha causa é meio que perdida... quem sabe antes do sol explodir e nos engolir a todos, ainda vemos alguma mudança... Até lá, só um bando de hipócritas dizendo que é liberdade e outro bando conformado em ser roubado, sonhando com o dia que vai ser adorado por quem os rouba. Cultura é a maior riqueza de um povo. Por isso fico injuriado.