Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Os Flintstones vivendo no futuro e... Cadillac & Dinosaurs?!



Aqui neste blog, eu já falei da teoria de que Caverna do Dragão e Lost poderiam ser purgatórios de mortos que não se viam assim e que Smurfs seriam uma alusão ao comunismo, vivendo em sociedade com um líder vermelho e cada um com uma função contra aquele que queria apenas lucrar em cima deles, transformando-os em ouro. Mas agora é oputra teoria conspiratória. Nem vou fazer parágrafo introdutório, já vou direto ao objetivo do material: Os Flintstones não vivem na Idade da Pedra, vivem no futuro. Um futuro pós-apocalíptico, diga-se. Essa teoria nem é nova, mas eu tinha que dar meu parecer (mesmo que ninguém tenha pedido), porque tenho muitos amigos que não são nerds como eu e merecem saber dessas conspirações. Parece bobeira, mas é muito legal levantar esse tipo de curiosidade e ver as pessoas embarcando na conversa. Nerd feliz, sou nessas horas. Rá!

Bem, é o seguinte, Os Flintstones vivem em Bedrock, aparentemente num período bem inicial da humanidade, mas não tão inicial por terem se adaptado a uma vida na sociedade. O american way of life, pros íntimos. Agora, vamos ver: Eles convivem espécies que nem são contemporâneas, como dinossauros e tigres dentes-de-sabre e eles próprios (essas três espécies não poderiam ter vivido no mesmo tempo). Eles também possuem várias referências da cultura dos nossos tempos, como esportes (boliche), capitalismo, carros, etc. Tudo isso seria um resquício dos tempos antigos pra eles, nossa atualidade.



Falando em carros, vamos imaginar que o petróleo já não se encontra em abundância por termos esgotado esse e outros recursos naturais. Os carros não são mais a gasolina, etanol ou diesel. Por algum motivo, nem GNV tem também. E outra, a forma das pessoas, sobretudo dos homens, remete a algum processo de adaptação ao longo das eras, tipo, se você leva a vida de uma forma, ela vai dar uma forma a você, como bailarinas e seus pés resistentes ou músicos e suas mãos calejadas.



Outro fator muito importante que arremata qualquer discussão: Os Flintstones não só comemoram natal e outras datas, como já tiveram reuniões sociais com outra família da Hannah-Barbera: Os Jetsons. Esses, então, descaradamente, vivem no futuro, só que no espaço, onde parece ter havido alguma forma de escalonamento de valor social, creio eu. Vai que no espaço vivem os mais ricos e na terra, os mais simples de conta bancária e até hábitos? Me fez lembrar as diferenças sociais entre quem vive no condomínio da Zona sul e o vizinho no morro. São do mesmo mundo, mas de mundos diferentes, entende?



E pra exemplificar melhor, quando falei que o ser humano, os dinossauros e os grandes mamíferos não conviveriam no passado, pense que no futuro, a ciência já conseguira desenvolver clonagem de espécies extintas ao mesmo tempo que se descuidou do cuidado social e ainda ao mesmo tempo também que consegue a proeza de manter seus hábitos conservadores da família tradicional brasileira mesmo que ao redor tudo tenha mudado, muita coisa até pra pior, por puro comodismo.



Note que o modelo, até pra data de criação da série (década de 1960) era o ultrapassado 'pai/mãe/filho(a)'. Note que personagem nenhum é solteiro sem parecer um deslocado ou agregado na família alheia. Note que não tem negros, enfim... é a sociedade estadunidense num futuro distópico. Rá!

Quando falo em clonagem de espécies extintas envolvendo dinossauros, o moleque descalço na calçada que habita meu coração sorri e pensa nisso:



E nisso:



E sabe outra curiosidade sobre Os Flintstones? Eu cantava 'Alagados, FLINTSTONES, Favela da Maré...'. Ok, isso é mais uma vergonha sobre mim do que uma curiosidade sobre a família do Fred e da Wilma, mas tá valendo. Acho. Beijos nas crianças! Rá!

Olha a cara do Herbert Vianna pra mim com essa piada safada:



Nenhum comentário: