Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

O verdadeiro sentido do natal


Estamos no final de mais um ano e essas épocas de final/começo de ano sempre pipocam mensagens fofas por orkuts, msn’s e e-mails afora. Todos girando em torno de um significado em comum: o do natal. Acaba ficando tudo muito redundante na questão do amor e da solidariedade – no 7 de setembro também tem gente passando fome, mas deixa quieto. Reunindo informações das diversas fontes do (bleh!) senso comum, teci (UIA! Que termo fresco!) algumas considerações acerca da grande solenidade.

Primeiramente, vamos citar, obviamente, o personagem principal da bela festa do amor e da ternura: Papai Noel (Mas, heim?!). Não, meu pequeno gafanhoto, não estou enganado. Em tempos de crise, temos que dar uma ajuda ao bom e velho – não, não o Rock n’Roll – Noel, pois, se não movimentarmos a economia, Vossa Majestade Imperial, os EUAses, vão desmoronar sobre nós – o que amorteceria sua queda, mas acabaria com o natal.

Jesus Cristo (sim, há quem lembre dele nessa época) nasceu(?!) em 25 de dezembro de... hum... de 2008 (quase 2009) anos atrás. Mas, nosso calendário é contado a partir do nascimento do cordeiro de Deus (que é o próprio Deus, e a pomba também...). Sendo assim, como poderíamos levar em conta a comemoração do nascimento do grande JC no final do ano que teria começado com ele mesmo? Acho que ficou confuso. Seria como nascer num dia e comemorar 11 meses depois. Não seria mais coerente comemorar o nascimento de Jesus em 1º de janeiro? É por essas e outras que eu digo que o bom velhinho (não, não o Jô Soares) tem mais potencial comercial do que o salvador.

Acho que seria (ainda) mais comercial lançar logo uma idéia de que Noel teria nascido em 25 de dezembro de 0000, isso deixaria o caminho e a luz para Jesus comemorar seu “niver” tranquilamente em janeiro, na paz, sem dividir atenção (você sabe, Maria Madalena tentou se aproximar demais, e ficou com fama de rameira). Na verdade, os coadjuvantes são um capítulo à parte, pois, como seria um Papai Noel sem filhos? Os Umpa Lumpas que fabricam seus brinquedos poderiam ser? Nosso irmão maior é um pouco mais complexo nesse ponto, já que é pai filho e espírito santo ao mesmo tempo, nasceu de uma mulher virgem e, mesmo sendo o rei dos reis, foi criado pelo padrasto, que era pai também, como carpinteiro.

Concluindo, só sei que Papai Noel escolheu o dia do nascimento d’O CARA pra distribuir presentes às crianças que têm pais endinheirados, a despeito do grande acontecimento. Ô, velhinho batuta! Provavelmente, assim que Jesus nasceu, ele pegou seu trenó e seus veadinhos e voou seguindo a estrela de Davi até onde o menino iluminado se escondia para celebrar sua chegada. Era 25 de dezembro, apesar de não ser o inicio do ano, é o nascimento de Cristo (como conta nosso calendário Gregoriano – e Gregório deve ter deixado algum registro explicando isso, NÃO É POSSÍVEL!)

Pra finalizar, tudo isso não passou de uma brincadeira com os muitos significados da data conhecida como natal e celebrada por tudo quanto é cultura por aí. Recalcados que me desculpem, mas a motivação desse texto não foi religiosa.

FGarcia® é um brincalhão.

Nenhum comentário: