Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Prefeitura Bossa Nova


Para prefeito – ou qualquer outro cargo público que vá influenciar na minha vida – quero que seja alguém com estilo, com um ‘quê’ diferente. Nada daquele discurso fácil de ‘o concorrente não é tão bom, não vote nele! Só eu me preocupo com saúde e educação’. Quero ouvir alguém que saiba falar. Que fale diretamente e não fique de promessas muito espaçosas, mas sem volume. Sem conteúdo.

Se, na hora de fazer sua campanha, você se preocupa mais em minar a confiança dos eleitores do concorrente... você é pequeno e quer nivelar por baixo uma disputa que sabe que pode perder. Seria como o Vasco torcer para os concorrentes perderem enquanto fica tocando de lado, ao invés de treinar duro (UIA!) para jogar e reverter a situação desfavorável.

Fernando Gabeira tem estilo e se lança a essa candidatura como uma opção para os novos tempos – até porque, analise, as outras propostas sempre vêm com ar de “hmm... já falaram isso antes”. Claro, há aquelas piadinhas – tão manjadas quanto falar mal da tribo emo – sobre quem vota nele é playboy, drogado e tals. Mas, isso é como as piadas racistas que fizeram com Benedita da Silva quando disputou a prefeitura do Rio de Janeiro com César Maia (atual ditad... prefeito). Quem sabe o que se perdeu por elegerem as promessas entusiasmadas e demagogas em vez de darem uma chance ao lado alternativo?

Pergunto isso porque talvez, tenhamos deixado de ver um sol muito mais brilhante por medinho medíocre de ousar. O falecido (ex-presidente) Juscelino Kubstrá-lá-lá (com todo respeito) também era diferente e conseguiu revolucionar a história do Brasil. Porque não aqui? Você costuma ver um candidato com pouquíssimas placas e galhardetes pela cidade – ou seja, quase nenhuma campanha de (sujar) rua – chegando ao segundo turno com tanta segurança? A cidade quer mudança, mas ainda há quem queira ficar naquela de “Ui, se votar no Gabeira vai ser o paraíso das drogas” Aff, cresçam! Não falo de quem tenha convicção embasada de votar em outro candidato, mas o concorrente apela para esse folclore.

Parabéns Gabeira, seja qual for o resultado, você está de parabéns por não ter se rebaixado ao nível das “cotoveladas do segundo turno”. Ser amigo do presidente do país não garante que o Rio vá melhorar (e, no frigir dos ovos, isso não te faz inimigo dele), até porque, o presidente diz que o Brasil está em seu melhor momento... Pensando nisso, acho até saudável uma certa oposição... Se os três níveis de governo ficarem nessa de “estamos numa boa”, quem vai chegar pra representar o povo e dizer “ei, tá faltando meu pedaço do pudim!”

FGarcia vota em FGabeira.

Nenhum comentário: