Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

terça-feira, 14 de maio de 2013

Clarice Falcão faz o bom humor


Eu sempre friso o quanto há gente estúpida no mundo. Gente que se acha muito rpa frente e não passa de conservadores jr's. São retrógrados até com pouca idade defendendo que você - ou melhor eles e sua turminha - têm o direito de serem desrespeitosos desde que chamem seus preconceitos de humor. E ainda completam dizendo que não é pra se levar a sério, mas todos sabemos que falamos brincando o que pensamos justamente pra amenizar o impacto e não ganhar implicações mais sérias, ou seja, é uma hipocrisia e um preconceito descaradamente velado.

Mas, nem todos os humoristas da nova geração fazem essa escola da sexta série mental e nos presenteiam com piadas e conceitos perfeitamente plausíveis, pois, assim como é importante você criticar uma atitude ruim de uma criança, em vez da pessoa, você pode fazer piada com todas as situações do mundo sem ter que ofender aqueles que passam pela situação. E nem vou falar das piadas auto-depreciativas, pois elas expressam a falta de dignidade do ser humano que decide viver de fazer piada. esforcem-se pra serem engraçados sem precisarem dessas muletas e vocês serão engraçados, pois fazer rir é coisa séria, não pode ser banalizado e transformado em escolher um alvo e fazer todo o resto rir da cara de alguém. Isso é bullying, babaquice ou sei lá mais o quê.

Clarice Falcão, um dos nomes responsáveis pelo sucesso de internet Porta dos Fundos é uma dessas mentes que não precisam ridicularizar um pra arrancar risadas de apoio preconceituoso dos outros. Se ela vai sempre pensar assim, não sei, mas por enquanto, fico com a pureza da resposta dessa criança, que, em entrevista à Marie Claire, falou sobre preconceitos sofridos por ser mulher num mundo predominantemente machista - além do mundo todo, com exceção de Temiscira, a ilha Paraíso da Mulher-Maravilha - e sobre a suposta detestada e alardeada patrulha do politicamente correto. LEIA A ENTREVISTA AQUI. Particularmente, quando abri minha mente para as muitas piadas que se pode fazer com situações e não com pessoas, vi que muita piada é só desrespeito, mas se é falta de ofender alguém, porque nunca ofendem seu próprio tipo? Humor bem feito é pra quem pode.

Por exemplo, já viu como os ateus-modinha praticamente tentam provar que não existe nada além de terra e água no mundo? Aliás, se não há provas da existência de Deus, também não há prova de que não existe. Assim como a ciência não prova que o universo começou a sei lá quantos anos ou mesmo que o universo é finito ou infinito, enfim, deu pra saca, né? Mas não vejo ateu levantando essa questão de que eles podem estar enganados tanto quanto acusam os "crentes" de estar alucinados. Não vejo branco fazendo piada com a história do seu povo escravizando outros e depois tentando apagar suas participações na história, vamos lá, gente, humor é pra criticar, é sua melhor aplicação. Mas porque não se critica os verdadeiros ridículos? Os preconceituosos, a mídia que esconde o mundo real pra fabricar ilusões e placebos açucarados... Nããão, os revolucionários e polêmicos fazem piada com religião, cor de pele, gênero e orientação sexual. Ah, vá... Fique com uma musiquinha relax de menina Clarice pra desanuviar a tensão.

2 comentários:

Anônimo disse...

A Clarice é atéia

Fernando Garcia, Sagatiba disse...

Por mim, tudo bem. Há tanto religioso por aí que prega preconceitos... Bom coração não depende de religião. É da pessoa e do que ela acha ser o certo.