Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Djavan e a lenda da tragédia da Flor-de-Lis


A história é antiga, já rola por aí muito antes de redes sociais, quando as correntes, boatos e demais mentiras eram compartilhadas por e-mail e o clássico boca-a-boca do povão. Sabemos exatamente porque isso acontece, né? Sempre são os elementos básicos: Um fato sobre algo/alguém conhecido do público, uma história cativante de fácil identificação do público e poucos detalhes, pra não matar a mentira antes que a galera saia mandando pros outros sem pesquisar a veracidade. Um boato propriamente dito.


Acontece que um desses boatos é famoso e muito difundido como verdade, mas é caô dos brabos. Confesso que até eu acreditava nessa história, embora, pra mim, a letra da música não seja tão 'óbvia' assim e nunca tenha feito tanto sentido quanto para as pessoas impressionáveis, por se tratar de uma suposta tragédia pessoal com um artista. Pois é, Flor-de-Lis é linda, é triste, mas NÃO É sobre a morte da esposa e da filha do Djavan. Veja aqui a letra com o vídeo, se você esteve numa ilha deserta até hoje e não conhece a música.

Na verdade, a canção é de 1976, quando Djavan ainda era casado com Maria (a tal esposa 'falecida' da letra) e de quem se separou em 1998, sendo a ex do cantor ainda viva. Ele mesmo já desmentiu várias vezes essa lenda urbana sobre a tragédia da mulher, da criança e do parto da morte. Nada disso! Ele afirma, veja nesta entrevista ao programa Viva Voz, que nem mesmo trata-se de uma experiência pessoal.



É mais uma lenda daquelas pra impressionar e bobo é quem cai, pois, não há noticiário que confirme, o próprio artista já desmentiu e você acha isso rápido num google, além, do mais importante, você não precisa que o artista seja sofrido pra gostar de uma música dele. Apenas aprecie a arte. Quer um exemplo? Li num livro do cantor Leoni, onde ele entrevistava Renato Russo, que o líder da Legião Urbana tinha escrito Será para a gravadora, que queria ditar os rumos da banda. A letra parece uma experiência pessoal envolvendo um relacionamento, mas a gente tende a trazer pro nosso lado. Se reparar, tanto Será quanto a própria Flor de Lis não têm qualquer dado que nos dê a certeza da vida íntima do autor. Música não é um diário da vida pessoal do compositor.

Uma análise muito mais plausível e sólida está neste link aqui, tecendo comentários sobre a letra e não tentando adivinhar pra completar com a imaginação de quem quer ficar dando lição de auto-ajuda. Flor de Lis nem é triste, se você reparar. Como diz o próprio cantor, é apenas uma conclusão de um relacionamento que não deu certo e não uma desgraça.



E como comentário semifinal: Toquem a música quantas vezes quiserem, mas não façam versão sambalanço dela. Já tá batido, galera, o artista tem N músicas legais que ninguém lembra de tocar pra ficar nesse vício como se o cara só tivesse três músicas.

E como comentário final, não, não sou parente do Djavan. Rá!














Uma curiosidade: Seu processo criativo começa por uma linha melódica, para, s[o depois, ser incluída a letra, com estudo de rimas. Isso explica as letras, por vezes, não fazerem muito sentido. Isso me leva a concluir, de forma particular, que Flor de Lis, por exemplo, poderia ser até sobre política, mas com a roupagem do amor romântico. Pense nisso antes de interpretar uma música. Nas possibilidades.

Fonte: Boatos.

Nenhum comentário: