Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Pathy Dejesus é alvo de comentário racista na Playboy


Pathy Dejesus é a primeira negra a estampar uma capa de aniversário (agosto) da Playboy. Escrevi, quando a bailarina e coreógrafa Ivy Pissotti foi a capa da vez, que em 41 anos de playboy, não tivemos nem 10 capas negras. O país não parou por isso, ninguém chorou pela falta de prestígio que a pele preta tem na mídia (a menos que seja carnaval, óbvio, onde somos objetos baratos pra 'eles'). Vai vendo por aí onde quero chegar.

Aí, vem Suzy Cortez (quem?) Miss Bumbum 2015 (ah, tá...), capa da playboy mexicana e solta: “Eu sabia que a coisa estava feia no Brasil, mas não tanto. E vocês, o que acharam?”

Até aí, nada de mais, né? Só uma questão de implicância gratuita de uma subcelebridade falando de uma atriz, modelo e apresentadora, né? Né? Antes de concluir essa parte, vejamos o que Pathy comentou:

“A coisa não tá feia, flor, tá preta mesmo. Beijos de luz e sucesso pra você”.

Linda de viver, não? Mas, como é o protocolo básico do racista invejoso (perdão pelo pleonasmo), a pessoa faz igual aos biel da vida, igual aos arthur nory da vida e tantos outros que depois que percebem que o veneno ficou visível, lançam um 'FOI SÓ UM MAL ENTENDIDO': Tá na cara que ela jogou Pathy aos possíveis leões pra que comentaristas falassem abertamente o que ela evitou, pra ter essa saída de 'não foi bem isso, você é que exagerou'. Necessidade de auto-afirmação em níveis patológicos. Mas a carreira e a postura da moça já denotam uma carência de compensar o que sente que pode estar fazendo falta: "talento", pois corpo bonito padrão um dia desmorona e aí, comadre? O que faz? Mas estou divagando... Aí, a dona tenta se defender:

Fiz apenas uma comparação afirmando que a minha Playboy é bem mais bonita, mas não que ela seja feia. Achei a foto de mau gosto, com fundo escuro, podia ser algo mais claro, achei que ficou feia. E ela levou para outro lado, levou para o preconceito. Não falei nada de racismo. Escrevi que a coisa estava feia, mas não por ela, pela capa que não achei bonita”, explicou Suzy, que ainda completou: “Eu tenho direito de achar a capa feia ou não, a minha é mais bonita”. Ninguém perguntou, flor. Sorte aí no Mexico.

Típico. Quer aparecer? Faz o gentili e fala umas merdas bem preconceituosas e disfarça de opinião pra que o acusador pareça um exagerado histérico. Ela continuou dizendo que só achou sua capa mais bonita, mas o que ainda não entendi é que se ela só achou sua capa mais bonita, porque foi falar que a da outra é feia e depois disse que não é que achou feia? Tá nervosa com alguma coisa, fia? Tá ruim de justificar a merda lançada? Merda lançada não volta. Pegou mal, errou feio, errou rude.

Quer referências nesse embalo? Nayara Justino e Lupita Nyong'o. A primeira foi eleita pelo público como globeleza num concurso do Fantástico e depois criticada por não ter os traços de Valéria Valensa ou Aline Prado, ou seja, aqueles traços mais 'finos', pele não tão preta, ao passo que a segunda foi eleita a mulher mais bonita do mundo por uma revista de fama internacional, mas invejosos racistas alegaram que era caridade pra revista posar de boazinha. Também falaram isso de Leila Lopes, a Miss Angola que ganhou o Miss Universo em 2011, enfim, tendeu, né? Se é preto não pode ser bonito. Sempre falo que o branco mais mais ou menos é tido como bonito, o preto mais lindo só pode ser eleito bonito por peninha, na cabeça do racista. 

Já reparou que se tirar o foco do racismo, essas "opiniões" não fazem sentido? Tipo, se ela não se incomodou com o - na cabeça dela - "desespero" da playboy Brasil em colocar "até" uma negra na capa pra chamar atenção, o que sobra? Inveja? Maldade? Porque esse papo de 'só uma opinião' não cola, afinal, opinião a gente dá quando pedem, pra falar besteira, é melhor se calar. Muito mais deve ter doído nela ter que ir pra uma playboy onde vão saber menos ainda quem ela é, e no próprio país, "perder" pra Pathy. 

Ainda temos o próprio retrospecto social que restringe a beleza negra ao padrão "globeleza", onde a pele não é tão escura, o nariz não é lá muito largo, enfim, a preta ideal do racista é uma branca de pele escura, "da cor do pecado", ou seja, a preta é uma branca que a sociedade se sente menos culpada em objetificar. Essa laia quando diz 'feio' está tentando dizer 'preto'. Está na cara que a insatisfação da dita cuja se deu por uma negra estampa uma playboy, que até pouco tempo, era domínio de subcelebridades como ela, que só pode exibir o corpo. Imagina, em seu ambiente comum, aparece uma negra, multitalentosa e ainda chama atenção por outros atributos que não falas pseudo-polêmicas de opiniões desnecessárias e mal explicadas? Aff...  

Pathy Dejesus é atriz, modelo, apresentadora, DJ, primeira negra em rótulo de xampu e de protetor solar, primeira negra em campanha impressa de cerveja e agora, aceitou ser a primeira negra numa capa de aniversário da playboy. Porquê, Pathy? "Ser a primeira (a estampar a capa comemorativa)? Isso é a minha cara!”.

Suzy Cortez é Miss Bumbum 2015. Torçamos por ela também.

Um pouco mais de Pathy Dejesus porque nunca é demais. Ela é demais, mas nunca é demais, sacou? Rá! Enfim...























Um comentário:

eu disse...

excelente postagem! que preta linda e que merece todo o sucesso q faz! <3