Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Freixo ou Crivella: De Marcelo pra Marcelo, a boataria tá feia já

Primeiramente, Fora Temer!
 


Bom, pra começar, quero logo lembrar-vos que religião não tem poder de dominar um município por meio de um candidato e muito menos poderia liberar uso de drogas, criminalidade, aborto ou casamento entre pessoas do mesmo gênero/sexo. Então, esses boatos mais bobinhos e babacas já podemos esquecer, ok? Se você quiser votar ou deixar de votar por concordar ou discordar desses pontos de vista, aí, é contigo, mas por favor, não decepcione Titio Saga alegando que vai votar nesse pra que aquele não vença e pratique o que você discrimina ou teme.


Esses boatos são sempre direcionados, se é diretamente cria das equipes de um ou de outro lado ou se apenas algum interessado em ver o circo pegar fogo foi lá e cristalizou a idea, aí, já não sei, mas são coisas óbvias e nem originais são, visto que quando Fernando Gabeira foi candidato lá nos idos de 2008, já falavam nessas lendas de que só vota no Gabeira quem é drogado e tals... Então, falar isso do Freixo é requentar de modo pueril um preconceito idiota, do tipo infantilóide que tenta intimidar a concorrência com o clássico medo de não pertencer. Sabe quando o adolescente babaca quer ver o mais certinho fazer besteira pra se sentir menos desajustado? Então, essa onda de 'se você é gay/drogado/bandido, vote no Freixo' é nada mais que isso, o velho 'fumaê, cara, tu num é homi não?'. Nada mais. Pior quem repassa memes de internet por faces e zaps afirmando que Freixo diz que bandido é vítima da sociedade e que a vítima do crime tem que aceitar isso.


Pelo lado religioso da força, temos Marcelo Crivella e algo que já me preocupa de início, a busca por apoio e aumento potencial na base de eleitores fez o senador ganhar apoio de Bolsonaro (não sei qual deles, mas é tudo igual pra mim), já que têm em comum, além de muitos posicionamentos conservadores (lembrando que igreja e estado, lá no início, eram unha e carne e hoje descendem dessa união conservadora de dominação por medo naquele sistema de obediência, ou não, com castigo ou recompensa). A questão nem é essa, é essa imagem de homem santo que se vende e aquelas manobras linguísticas do tipo, o senador não esteve entre os que mais fizeram proposições inúteis, logo, em seu site consta, deliberadamente, que ele foi um dos mais prolíficos... Ora, vá, mas a questão aqui é orientar o eleitor a escolher seu candidato avaliando seu passado, suas ações e proposições atuais, óbvio, mas nunca NUNCA acatar essa postura de repassar irresponsavelmente boatos e questões que nem fazem sentido, como legalização de drogas, por exemplo, que seria de âmbito federal, já que no Brasil, funciona a União e não há legislação autônoma independente entre estados.


Por parte de Marcelo Freixo, há duas ressalvas nessa guerra de boatos: Além de ele, se for eleito, não ter qualquer poder sobre mudança de leis fora do município, também nunca disse que se aceitasse um assalto de boas porque o bandido é vítima da sociedade. Essa parte eu compactuo, pois sempre escrevo que reconhecer o sistema sócio-econômico como excludente e entender que isso empurra a pobreza pra uma relação estreita com a criminalidade não nos faz defender o bandido enquanto bandido. Como falei no caso do linchamento do jovem há algum tempo, defendemos que se pratique a lei na forma da lei e não os capitão nascimento metido a Steven Seagal da vida, querendo resolver tudo na violência quando é com preto pobre. Ah, ele também desmente que trará para seu secretariado petistas como Lindbergh e Dilma Roussef. Quem já deu uma olhada no discurso básico do PSOL já percebeu que eles são oposição, o que hoje em dia, inclui até o PT, muito menos negociariam cargos em troca de apoio. Tá na cara que é fofoquinha pra associar o candidato a essa aura de desconfiança com o PT (cuja presidenta eleita democraticamente nunca teve uma acusação comprovada, diga-se).


Do outro lado, temos Marcelo Crivella respondendo em seu site que nunca defendeu que negros só gostam de cachaça e de macumba, segundo o candidato, essa frase foi dita por alguém que ele estava apenas citando, tendo a frase tirada de contexto para prejudicá-lo. E também explicou que não vai cobrar, se eleito, entrada no Parque Madureira. Também diz que não é a igreja de sua religião que irá comandar a cidade em caso de resultado favorável. Em todo caso, fiquemos de olho porque sabe como é candidato, em algum momento pode tropeçar nas palavras e um astuto ardiloso pode estar por perto pra flagrar. Lembra da Denise Frossard na campanha pelo governo do estado em 2006, quando ela usou a expressão 'baixada-leste' sendo que não existe lugar sequer aqui no Estado com esse nome? Entre outras coisas, mas desse eu lembro bem porque foi bem num debate, deixando Sergio Cabral Filho muito mais perto de por aquela cara sonsa dele no Palácio Guanabara, sede do governo estadual aqui do RJ.

No mais, nada de repasse de boatos. Vale muito mais se a gente se perguntar 'será que foi isso mesmo?' e dar um google do que ficar passando vergonha falando qualquer coisa sem ver que do outro lado da tela tem alguém chato tipo eu ;p acenando negativamente com a cabeça e falando 'que merda você falou aê'. Titio Saga fica mais decepcionado que aquele colega da oitava série que nunca estudava pra prova e quando estudou, caiu matéria nova.

E cuidado com pesquisas de opinião também. Servem pra nada, a menos que tenham entrevistado a todo eleitor que já tem decidido seu voto. Se não entrevistou a todos, não é confiável, visto que eles podem ter parado na porta de uma igreja ou de um bar, o que influenciaria diretamente no resultado da pesquisa, influenciando aquele pulha desavisado que vota em quem tá ganhando na pesquisa pra achar que venceu algo na vida quando o candidato é eleito.

E antes que eu me esqueça:



Fonte: O Globo  

Nenhum comentário: