Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Rodrigo Hilbert tinha urgência de matar pra se alimentar!(?)


A blogueira Keila Jimenez, do R7, lançou um texto defendendo Rodrigo Hilbert (aquele boneco de cera casado com o outro boneco de cera, Fernanda Lima). Hilbert selecionou, matou, desossou e cozinhou o filhote e isso chocou muita gente. Não vou ser hipócrita de falar que matar o bicho em si foi o problema, pra mim. Existem camadas a se analisar.

A blogueira defendeu que carne não dá em árvore, logo, não tem nada de mais em matar um bichinho da natureza pra comer. Ok, eu entendo e confesso que se dependesse de abater um bicho, eu mesmo nem olharia pros churrascos, X-tudos e demais guloseimas à base dessa matéria-prima, mas, já disse, há camadas.

Por exemplo, eu não mato nem barata se não estiver muito perto e a única vez que matei um rato, quase rezei uma missa (mas era invasão de domicílio, a lei me permite defender a segurança e a saúde dos meus. Rá!). Ou seja, o carneirinho não era uma ameaça e não tem porque querer mostrar um abate na TV assim.

Nenhuma dona-de-casa vai ao mercado comprar ovelhinhas já pensando em sangrá-las abrindo o apetite e se fosse pra mostrar a boa procedência, ainda teria que ultrapassar as mentiras que a TV pode contar, ou mesmo, se fosse convincente, Tony Ramos estaria vendendo boi levando machadada entre os blocos do JN, antes do contratante sair entregando a tchurma toda. (Frib)Oi?

No geral, a autora do manifesto ainda levantou aquela comparação tosca de que com tanta corrupção e violência por aí, indiciar o belo mancebo (UIA!) é um exagero... Bem, se um crime tá acobertando outro, eu levantaria a polêmica simples: Roubar é crime, mas matar também não é? Que necessidade de sobrevivência urgente o bonecão teve?

Enfim, como eu já disse - mas sempre tem um que não lê o texto todo - eu sou onívoro (ou seja, como de tudo, UIA!²) e carne está inclusa nas minhas opções, mas se o cara quiser matar um boi na minha frente, ah, amigs, vai ser bizarro. Então, galera, indicia sim, porque eu não quero nem ver se a moda pegar e começarem a praticar aquelas coisas de servir lagosta viva, pro bicho ver você comendo suas entranhas, ou mesmo se alguém começar a achar que dá pra fazer o Hannibal Lecter e rachar uns miolos com o próprio dono da cuca cozida... Hmm... Mestre cuca soa um trocadilho possível, hein... Falando em trocadilhos... 

É só. Ninguém pediu, mas falei assim mesmo. Rá!

Nenhum comentário: