Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Amor verdadeiro não dói?


Corre solto pela internet uma história de que o amor verdadeiro não causa sofrimento. Isso, geralmente, vem pelos facebooks da vida com uma imagem de Renato Russo e um tal show aí que ele teria perguntado se alguém sofreu por um verdadeiro amor, ao que, diante de diversas confirmações, o poeta teria desmentido a galera por afirmar que verdadeiro amor não faz sofrer.E nessa hora, sempre têm aqueles adeptos de frases de efeito que se sentem diante de um tapa sem mão e logo dizem coisas como "a maior verdade!", ou "yes!", ou "massa, véio!", ou sei lá mais o quê.

O problema, e por problema, você entenda que eu estou prestes a trollar a trollada anterior do senhor Russo, é que, na qualidade de poeta, ele até pode ter sua razão - e eu como fã, preciso fazer essa ressalva antes do meu próximo movimento - mas amor de verdade faz sopfrer sim e vou explicar meu conceito no próximo parágrafo. Aguardem.

Voltamos com a programação normal. Existem dois tipos de amor verdadeiro: O conceito idealizado por cada um em sua intimidade e o sentimento que, por inúmeras vezes, não temos palavras para explicar - até porque sentimento correm independentes de definições e rótulos que aplicamos à revelia.

O amor idealizado é verdadeiro e perfeito, porque... bem, porque queremos. É a velha história: "Falar é fácil". Já o amor prático, aquele que a gente sente e vivencia, é verdadeiro, tanto quanto o sonhado, mas passa pelo impuro canal do ser "cheio de falhas" humano. Logo, se algo perfeito é sentido por alguém imperfeito, qual é o resultado da equação? Relatividade. Cuma? Sim, é relativo o conceito de amor verdadeiro e perfeito. Vai dizer que você, demonstrando amor por alguém, só acerta? E se erra, você pode afirmar categoricamente que foi por falta de amor? Eu acho que não. Acho que a gente pode errar amando e isso não é falso amor. O ser humano é imperfeito. Não temos culpa ou falta de sentimento. Claro que existe falso amor adoidado, mas aí é outra história.

Assim, discordo do maravilhoso poeta, pois, podemos amar, errar e continuar amando. Declarações de amor, reconhecimento de erros e pedidos de desculpas estão aí pra levar relacionamentos em frente e isso faz o amor até aumentar, se cabe acrescentar aqui. Amor verdadeiro pode machucar, mas vai do discernimento e maturidade das pessoas envolvidas entenderem que precisam encontrar outro caminho para seu amor fluir. E não falo só de casais, não, mães, filhos, pais, irmãos, amigos, enfim, pessoas que amam. Pessoas que erram. Pessoas que vivem.

Nenhum comentário: