Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Heineken, Queen e... isso me irrita bastante!



O que tem esse comercial da Heineken? Bem... me irrita! E em tantos níveis que tenho que enumerar. Mas antes, quero dizer que não é nada contra a música em si. Na verdade, eu até vou falar por ela também.

Bohemian Rhapsody

 A música do Queen é uma pérola. Sempre achei o Qeen mais pra farofa do que pra ecletismo, dadas suas nuances meio misturebas, mas vá lá, eram os anos 80/90 e eu sempre gostei de um som inusitado que me exercitasse a imaginação. Principalmente na hora em que ela explode com a guitarra distorcida, bateria derrubando tudo, baixo quebrando a banca e o vocal aprumado de Fred Mercury. A música é a única coisa que não pode levar a culpa nesse comercial brabo.

Mundo de Wayne



Foi nesse filme que conheci a música (aquela cena do carro, com Wayne seus amigos cantando é legen - espere por isso - dária). No idioma original (inglês), o filme se chama Wayne’s World (O Mundo de Wayne), que, na verdade, era um personagem de Mike Myers no clássico humorístico estadunidense, Saturday Night Live. Wayne era a sátira aos adolescentes da geração MTV. Pois bem, aqui no Brasil, o filme baseado no quadro do SNL ganhou o nome de – respire fundo – Quanto Mais Idiota Melhor. Caras, uma paródia comportamental de um fenômeno da cultura pop virando filme e o que os gênios da tradução aqui fazem? Transformam num rótulo do mais puro ‘besteirol’, já passando a ideia de que o filme é um amontoado de idiotices e não um longa sobre jovens daquela época. Parabéns, campeões!

Heineken, não te odeio tanto assim




A cerveja pode ser mais amarga que as que eu costumo beber, talvez um pouco mais cara na relação custo-quantidade e até apanhar por tabela por estar na modinha aplayboyzada, mas a cerveja tem seu mérito: Possui como símbolo uma estrela vermelha que foi o pesadelo dos coxinhas direitistas nas eleições presidenciais passadas (aquelas anuladas pelo golpe do – fora - Temer). É que alguns imbecis acharam de falar que a cerveja fazia uma apologia ao PT, com a mensagem subliminar da estrela vermelha (segundo eles, comunista).


Bucky, o Soldado Invernal, também seria militante do PT? Vai saber...

No apanhadão geral

É irritante ver aquele monte de desafinado cantando em cortes que mal dá pra reconhcer a música em alguns trechos... Feio, Heineken. Ai, ai,ai!

Conclusão

Minha opinião não faz a menor diferença no mundo. Volte a seus afazeres. Rá!


Ps: Acho mesmo o comercial uma poia. 

Agora, fique com a música original e esqueça aquela trolha que é o comercial.

Nenhum comentário: