Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Burrice é carisma?


Sabe, outro dia passei em frente a uma banca (de jornais e revistas, oras!) e deparei-me com uma capa onde estava (ainda deve estar, né? A capa não muda porque eu não tô vendo agora, pô!) a mundialmente famosa Sol (Sol quem?), aquela menininha que com sua “genialidade” cativante atraiu a atenção de todo o Brasil durante uma versão qualquer do BBB. Percebeu as aspas da frase anterior? Bem, explico, como elas servem perfeitamente para denotar minha ironia, usei-as porque não sei bem se a malandragem dela foi SE FAZER de burra, já que o tal do Bambam já tinha dado(UIA!) certo antes, ou se ela, mesmo sabendo que não alcança muitos milímetros de altura numa escala fictícia de Q.I(hipótese), soube SE VALER desse “dom” (óia, elas aí denovo!) para se promover. Até porque existe uma diferença entre ser inteligente e ser esperto, não é? (Não é?)

O negócio é que a moçoila estava lá à minha frente na revista e a chamada na capa dizia que ela iria derreter corações ou algo perto disso. Oras, grande cosmo, o que despertou tanto carisma na dona para, até hoje, ela ser convidada para ensaios despudorados(digo despudorados, mas não falei que isso é ruim...Até porque ela mandou uns upgrades interessantes, cientificamente falando, lógico) ?

Pensei nela e nos demais que, com suas mentes pouco arejadas (ou arejadas demais, conforme critério) conquistam a mídia como funcionários de mercados com petiscos para degustação gratuita em frente à praia.

Não sei se esse carisma vem do complexo de inferioridade (tipo, opa, é burro igual a mim, não me sinto intimidado) ou se falta mesmo assunto nas rodas de amigos e afins...
(Não falo do fato de a mulher ter posado nua, mas do fato de ela ser uma típica “famosa quem?” que tudo o que fez para estar ali foi cantar e dizer umas bizarrices em rede (inter)nacional).

Se bem que, se os meios de comunicação em massa começarem a divulgar personalidades que incentivem o raciocínio lógico e independente, a primeira coisa que a massa vai fazer é largar seus opressores intelectuais e psicológicos.

“Prestenção”, gente, Quando há opressão, é porque há medo de que alguém perceba seu valor e se torne independente (O capitalismo amigo funciona bem assim).

Acorda, Brasil!

2 comentários:

André Rodrigues (Ex-Anônimo) disse...

Muito oportuno seu comentário meu jovem mancebo.
Veja você que esta "burrice afrodisíaca" já assola nossas vidas de outros carnavais.

Você meu caro deve lembrar da (agora evangélica) Carla Perez em seu programa no SBT, onde se completavam palavres através da citação de letras e esta questionou ao participante após este optar pela terceira vogal de nossa língua: "I di iscola?"

Claro que seus atributos físicos a mantiveram em seu quadro após citado fiasco.

Assim, dua divagação dá lugar a outra, sendo a burrice cada vez mais tolerável pela massa (a qual às vezes nos exlcuimos(às vezes)).

Soa irreal especular que no futuro as mães se preocuparão em maior elevada escala com a beleza de suas filhas do quê com a educação e a instrução das mesmas.

Em mesma via, as mães podem dizer:
"Que estudar o quê, meu filho!!! Vai jogar bola que amanhã tem teste no coríntia"

É cada vez mais difícil orgulhar a família diante da sociedade, e os valores cada vez se revelam mais adulterados...

Afinal, do que precisa mais a sociedade? De um gari ou de um artilheiro?

Imagine o Rio de Janeiro três meses sem jogos de futebol....

Agora três meses sem a comlurb passando...

É por isso que dizem que certas coisas são como sexo e dinheiro, costuma-se dar muito mais valor e importância quando não se têm.

Sendo este popular ditado, hodiernamente, não se aplicando a inteligência.

Carlos Meneses disse...

Fernando, vamos "linkar"; do não verbo link, nossos "blogues"; do não verbo blog, nossas burrices do substantivo feminino citado?
Tamo junto do estar perto e misturado, da nossa raça "humana".