Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Metallica e suas várias mortes


Death magnetic é o álbum mais recente do Metallica e veio com a intenção de resgatar o clima mais pesado do som da banda nos anos de 1980. Muita gente insiste no preconceito de que esse álbum não é bom porque não é um clone de Master of Puppets.

Sabe quando aqueles pseudo-conservadores chegam e dizem: Metallica só foi até o Master of Puppets e choram feito ninjas silenciosos quando alguém pergunta porquê e não sabem dizer nada além de "Não gosto. Porque não"? Pois é, resolvi fazer uma resenha sobre essa atitude. Acompanhe:

Primeiro, Master of Puppets é um dos melhores álbuns de metal da história. É não, FOI! Ele não pode ser lançado de novo. Então, você só quer ouví-lo por medo de ampliar horizontes ou vergonha de admitir que dá pra continuar sendo bom sem lançar clássicos consecutivos? Continua. Mas, pra satisfazer essa viuvez de algo lançado há quase 25 anos, você teria que ressucitar Cliff Burton (baixista falecido num acidente sofrido pelo ônibus em que a banda estava)e mesmo assim, não é garantido que ele se mantivesse um garoto de vinte e poucos anos (coisa que nem você será pra sempre).

o Death Magnetic (DM a partir daqui) é muito bom sim. Não digo só por gosto, é que ele tecnicamente é muito bem feito e muito bem tocado. Canções criativas, empolgantes e riffs e solos inspirados. Pô, não precisa gostar. Gosto é igual a orelha, uns têm, outros não... Mas, escutar e avaliar que é um bom material, o mínimo de senso crítico pode ajudar. Do contrário, se é pro lado da presunção, da preguiça e preconceito com o que é novo, vá ouvir um pagode-pop-mela-cueca suado e cheirando a churrasquinho de gato!

Não aceito essa cobrança recalcada típica de um "metaleiro trüe", que só ele sabe o que é bom e a própria banda que ele admirou no passado não é mais digna de seu aval rigorosíssimo. Sai pra lá, criteriosos do cão, vão lamber um sovaco de mendigo pra ver se ele geme!

Quem disse que a própria banda - não perca de vista, foi quem criou toda sua obra antes - quer fazer igual ao que já fez antes? Artista de verdade querem sempre inovar. Pra fazer o mesmo sempre, já tem muito mercenário que repete a mesmíssima fórmula para não perder público. A arte se lança ao desafio. Antes do DM teve o MoP e antes teve o Kill'em All. Pra se repetir, eles manteriam a demo No Life 'Till Leather eternamente. Pra fazer o de costume, eles tocariam o MoP em playback. Músicos querem se reinventar. Fazer diferente. Repetição é coisa dos Wonders (ou 1'ders, como preferir), sabe aquele filme que lançou a banda fictícia homônima e seu único hit "That thing you do".

Enfim, se a banda abandonasse tudo com a morte prematura de Burton, seriam lendas, mas cobrados por não terem lançado nada a mais. Continuaram e são cobrados por não terem feito o mesmo disco todo ano. Não são mais garotos bêbados, rebeldes e talentosos e não gravam o melhor cd de metal de todos os tempos todo ano, aposto que são imperdoáveis (unforgiven 1...2...3) para você, que é trüe e o único que sabe das coisas, né? Vá lamber bodes!

Dê uma chance para o álbum novo, ouça como quem quer ouvir boa música. Não vejo cobrarem do Iron Maiden um Powerslave por ano, nem vários Rust In Peace, do Megadeth. Ouvir não arranca pedaço (não diretamente), então procure música boa, não uma superação que os monstros sagrados do metal não lhe devem.

bjundas e abracetas!

Nenhum comentário: