Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Se não pode com eles, julgue-os!

Parafraseando uma piada interna da série, essa é uma das melhores "brittadas". 


Se não pode com eles, julgue-os. Essa é a questão para quem - seja fanático religioso, ou metido a politicamente incorreto - rotula alguém com algo que não gosta por que se sentiu contrariado em sua opinião. E essa frase, eu vi na série Community. A seguir, eu explico como se deu a epifania.


Em um episódio de Community, Annie está indo dividir o apartamento com Abed e Troy. Todos vão ajudar na mudança, nessa hora Britta (a teteia da foto) e Shirley têm um confronto ideológico sobre fé. Shirley é cristã e Britta não. E para provar que Shirley é hipócrita julgando as pessoas enquanto prega a palavra de Cristo sem cumprí-la, ela resolve dar carona a um andarilho desconhecido, pra desespero de Shirley (que, teoricamente, faria o bem sem olhar a quem).


Britta já está satisfeita com a "comprovação" de sua teoria, quando o cara revela que compõe músicas cristãs. Aí, o jogo se inverte e Shirley é quem comemora. Até canta junto. Quando parece que vai se manter o impasse, o cara pede permissão de cantar mais uma canção no violão que carregava, com o apoio de uma e a conformação de outra, ele começa uma letra extremamente machista e misógina. Resultado: As duas o expulsam do carro e percebem que têm mais em comum a zelar do que diferenças a evidenciar.


Mas isso, numa série, pois, na vida real, as pessoas vão tentar se destruir e diminuir as outras porque se acham mais inteligentes e esclarecidas. Quem gosta de ser grosseiro alegando uma suposta sinceridade (mal educada) nunca gosta de ouvir verdades, alegando ser inveja. E parece sentir uma responsabilidade pelo que o outro vai fazer ou pensar que se acha até no direito de criticar, rotular. É um ciclo doentio.



Nenhum comentário: