Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Sheherazade, porque não adota um pitboy pra você?

Raquel-Sherazade-4Depois de ser o nome de referência na campanha imbecil tá com pena leva um bandido pra casa’, agora, Rachel S. pode experimentar seu próprio conselho, pois, defendeu que 20 ou 30 rapazes de índole perfeita saíssem por aí aplicando voz de prisão, um julgamento duro, porém justo e uma condenação de fazer inveja a qualquer código penal... medieval. Mas Shehe foi enganada.

Mas, como era de se desconfiar, esses heroizinhos não eram tão Bátemas assim, estavam mais para aqueles episódios clichezentos em que um babaca qualquer se vestia como um herói pra sujar-lhe o nome. Foi bom, me libertei de uma meia dúzia de fascistas no meu Facebook, agora com o plus de saber que também eram – que descansem em ignorância – boçais direitistas como eu mesmo xinguei alguns.

O certo mesmo é que Rachel S defendeu que 20 ou 30 rapazes – demonstrando coragem e muita honra – juntaram-se pra pegar de porrada e armas dois ou três pivetes (deixando apenas um pra pagar pelos outros). Muito digno, porá não dizer grandioso. Só que descobriram que dois deles possuem fichas extensas na polícia.

justiceiros-rachelCrimes como estupro, lesão corporal, furto em condomínio, ameaça, uso de drogas e recusa ao serviço eleitoral, estão associados ao histórico de apenas dois dos anjinhos de Sheherazade. Nota-se, já de saída, que os valentes justiceiros, anjos da penitência da nata da criminalidade carioca possuem um arsenal mais variado que o bat-cinto.

É, Rachel S, seus heróis defensores da moral e dos bons costumes, justos e carismáticos são mesmo um achado... ou melhor, dois, até agora. Quem sabe, você não leve um troféu Bieber 2014, pela sequência tão alucinada de impropérios em pouco tempo, não é? Deve ser alguma fase que você está passando, naturalmente.

Sheherazade, aquela que vale a pena ouvir.
Conta a lenda que ela enfrentou a tirania do rei
e o converteu num homem apaixonado, apenas
contando-lhe histórias por mil e uma noites.
Nem em mil e uma noites essa Sheherazade vai conseguir encontrar argumentos pra negar que defendeu bandidos ainda mais covardes do que o que ela achou que fosse um lixo descartável. E agora, S? Quem é a sociedade limpa que seus bibelôs defendiam ao espancar um adolescente infrator?

Eu, particularmente, torço pelo processo penal justo, mas, no ruim de tudo, ainda entendo mais um jovem que cresceu sem um pai, traficante morto, e expulso de casa pela mãe ao cometer um pequeno delito na comunidade onde morava, do que os jovens de classe média que se armam pra bater nele. Mas, veja só, eles devem responder ao processo de forma justa, não é? Alguém torce pelo espancamento e acorrentamento deles?






Vamos todos cantar, ao som de Baby, baby, baby, aquele refrão: Direitos humanos pra humanos direitos de direita!

Mas, péra, embase o argumento de Rachal S. por mais um segundo:

Untitled 114 QUEM NUNK

Ou seja, Sheherazade - a do Senor, não a do sultão - é uma BELIEBER!

Nenhum comentário: