Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Brigitte Bardot contra acusações de assédio em Hollywood

Brigitte Bardot antes e hoje.
Brigitte Bardot falou recentemente que a maioria das atrizes que afirmam terem sido vítimas de abuso por parte de atores, diretores e produtores está sendo hipócrita, pois, segundo Bardot, muitas mulheres se insinuam para os homens em troca de trabalhos. Ela segue a onda de outra atriz francesa, Catherine Deneuve, que há pouco tempo assinou um manifesto com mais 100 atrizes francesas repudiando movimentos contra o assédio moral/sexual. Depois, Deneuve pediu desculpas às vítimas de assédio e alegou que só queria se manifestar contra possíveis acusações. Não me surpreende, já que Bardot já foi preconceituosa contra muçulmanos, gays, imigrantes, mendigos, etc. Aliás, ela afirma nunca ter sido vítima de assédio, até gostando de ser elogiada (como quem não sabe diferenciar um flerte, uma cantada de uma situação abusiva e opressiva).

Bom, que bom que esse assunto ainda está no começo, na grande mídia, pois existem diversas possibilidades de caminhos a seguir. Eu vou deduzir algumas aqui para esse tipo de comportamento. A primeira coisa é você nem ter provas de nada e já deduzir que as acusações são falsas. Existe gente que só quer aparecer ou ainda se beneficiar ou prejudicar alguém? Sim. Podem existir acusações falsas por aí? Sim. Mas, pra ter chutado tão seguramente que movimentos em prol de vítimas de abusos são besteira por haver casos assim, das duas, uma: Ou elas são do tipo que se insinuaram muito em troca de papéis (e se foi, particularidades delas), ou estavam sendo assediadas e não só nunca perceberam (tempos em que isso era naturalizado, cultural) como ainda acharam que estavam no controle da situação (de ser objeto).

Graziella Moretto e Pedro Cardoso.
Há também a possibilidade de saberem alguma coisa por baixo dos panos que não sabemos. Alguma corrente interesseira da qual fizeram parte, ou apenas tomaram conhecimento, ou, confirmando meu ponto anterior, acharam que eram jogadoras espertas e estavam sendo apenas peças no tabuleiro. Lembro de Pedro Cardoso, ator, que há alguns anos, se indispôs com a mídia, paparazzi e essas coisas e nesse bololô da sua fama de resmungão (ninguém gosta de quem vai contra o senso comum), ele fez denúncias públicas sobre diretores que criavam cenas de sexo e nudez feminina, apenas para fazerem sessões prive com seus amigos e se gabarem de terem despido essa e aquela atriz. Uma total demonstração de machismo, de ‘poder’ sobre a mulher. Em tempo, a própria esposa do ator, a também atriz, Graziella Moretto teria sido vítima de uma dessas ‘pegadinhas’. Eles, inclusive, têm até uma peça juntos criticando o machismo.

Catherine Deneuve antes e hoje.
Enfim, como falei, não que Bardot e Deneuve não tenham lá sua razão pra falarem o que falam, mas acho que o momento não é de refrear essa tendência de denúncias. É justamente o contrário, vamos ouvir todo mundo e se for comprovado que não foi bem assim, ok, mas evitar o assunto logo quando ele tá se expandindo é covardia. Faz parecer que as atrizes veteranas querem esconder algo ou se promoverem sendo o pessoal ‘do contra’, que toma esse posicionamento babaca sempre que algum grupo socialmente oprimido denuncia o crime que sofre historicamente. É quando falam que é ‘mimimi’ ou ‘patrulha do politicamente correto’, quando querem ter resguardado o direito de ofender e agredir e tentar calar as vítimas na base da chantagem emocional.

Tipo aquele valentão que bate no nerd e o faz parecer ridículo se o nerd correr para denunciá-lo. Neste caso, o valentão não está desafiando o nerd (‘vai correndo contar pra mamãe’), ele está desesperadamente torcendo pra que o nerd se sinta envergonhado, pois sabe que entrando a autoridade (a lei ou, no exemplo, a mãe) na história, ele corre muito mais risco de pagar pela ofensa ou agressão.


No mais, sempre vai ter a turma do ‘ah, você tá fazendo tempestade num copo d’água’. Pegue o copo com água, jogue na cara do intrometido que nem foi chamado na conversa e siga denunciando, apoiando e debatendo o assunto. Assédio é crime, gente, não é um mero bate-boca de esquina. Pessoas se traumatizam, se deprimem, isso afeta o ser humano e as pessoas à sua volta.


Nenhum comentário: