Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Copa: Decepção ou superestima?


Sabe como é esquisito acompanhar copa do mundo, né? Não? Titio Garcia, exprica:

Primeiro de tudo: A seleção brasileira estava mais empolgante que deitar no chão e esperar a morte chegar. O problema é que a imprensa (sem #dungarecalcadofeelings) criou uma aura de "já que é copa, vamos enaltecer os nomes famosos e ganhar o público". Tanto carnaval em cima de nomes famosos que - em sua maioria - chegaram à copa contundidos - rendendo pouco mesmo - só serviu pra uma coisa: Começar a fazer festa em cima de nomes pouco conhecidos e times sem tradição ns copas. É o famoso caso de criar expectativas e passar a ideia de que houve decepção. Ao passo que, inversamente proporcional, valeu a surpresa com seleções "pequenas" fazendo bonito.

A partir daí, tenho duas considerações:

1 - Não adianta tentar dizer que o futebol mudou, que não há mais espaço para espetáculo ou que resultado é mais importante. Até concordo, mas time de futebol que joga de lado e não sabe reverter placar (aliás, desvantagem originada pelo próprio futebol pequeno da seleção) é coisa de time bobo. Dunga, algum problema?

2 - A segunda é que todo mundo (disse: TODO MUNDO)joga no mesmo nível. Um ou outro tem talento individual, mas não se pode também achar que os talentos estrangeiros são maravilhosos e os nacionais é que deixam a desejar. Por exemplo, babou-se tanto os bagos do Maradona e seu pimpolho-maravilha, e o que ele fez? Até o Shahalalalalalala, da África do Sul, fez gol e o "melhor do mundo" ficou no "ora, veja". Messi, o garoto-prodígio (Santo chucrute, BÁTIMA!).

O que me faz pensar...

Nenhum comentário: