Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Médicos cubanos diante do racismo brasileiro

Quando a vida demonstra que a realidade não é uma novela - onde o negro é 'a doméstica' e os médicos são euro-descendentes nórdicos... É aquele negócio que eu sempre falo aqui, um levante fascista que se organiza, mas que não se assume. Tantas manifestações de ódio e desprezo pelos médicos estrangeiros que dá até vergonha de ser brasileiro. Não bastasse o que já vemos todos os dias de intolerância - não preciso de tolerância, mas o termo em voga na sociedade é mais esse - e agora ficamos caridosos espalhando esse bom sentimento para outros países.
Juan Delgado: Médico cubano chamado de 'escravo'. Será que se fosse de algum país 'branco' ouviria sandice similar?
Não vou entrar no mérito da questão médica, porque ainda não pesquisei informações suficientes pra definir se sou a favor de quem queira vir da gringolândia para trabalhar onde nem os nossos compatriotas foram - nem os motivos de não terem ido - nem vou tentar ser contra, exibindo esse falso-ufanismo-fascista de que ninguém pode vir, só os nossos... Até porque, sendo brasileiro ou estrangeiro, o fato é que não há sequer equipamentos, então, a balança pode pender pra qualquer lado que haverá uma razão. Vou falar das manifestações de racismo e preconceito sócio-racial, porque, você sabe, disso eu entendo de longa data.

Primeiramente, vamos à grande questão: Se seu problema é que médicos de terras estrangeiras venham fazer o trabalho dos que aqui estão, mas que, por algum motivo, não foram lá, fácil resolver, apenas se manifeste sobre o fato de haver tanto médico aqui pra ter a necessidade de chamar gringos. Se o lance é esse, que se questione a iniciativa e que se proteste com quem bolou e executou esse plano de, sei lá, contingência. Nunca vi, no mundo, alguém estar descontente com um prato de comida e reclamar que o cozinheiro é fisicamente incompatível com o que você acha que é o certo. Reclame da comida que foi preparada e servida, oras! Do contrário, você está apenas reforçando minha teoria de que ninguém é preconceituoso até que esteja diante de uma situação que te desperte essa sua falha de caráter - e de intelecto.

Ex.: "Eu respeito todos, desde que me respeitem". Aí, o cara é tratado com arrogância por alguém, mas, ao invés de reagir proporcionalmente ao agravo (coisa que a própria constituição prevê), apela para o clichê de destacar alguma característica física que seja estigmatizada na sociedade. Tipo, um 'não' seco é passível de se questionar o porquê, mas não de xingar de gordo, preto, velho, bicha, sapatão, mulher de TPM/mal comida, baixinho, feia, etc, etc...
Aqui, o ilustrador tenta amenizar sua ação, como o jogador de futebol que quebra uma canela e estende a mão pra levantar o adversário agredido. E o agradecimento (a uma crítica?!) ao final, é o tom da sua ironia.
Atitudes como as que estão brotando por aí, como a da jornalista Micheline Borges, ou do cartunista Dalcio Machado, nos mostram como o preconceito está lá doido pra sair, e, vendo um "monte de negros" "invadindo" seu precioso país, já tem um impulso neo-nazista e - desculpe o pleonasmo - clichê estúpido, já querem bater uma história de que estão tirando seus empregos, ou que eles não merecem respeito. Afinal, se o problema é com o governo, que se ataque o governo, nunca vi cubano nenhum se referindo ao Brasil daquele jeito. Nem nas antológicas partidas de vôlei entre nossas seleções femininas.
Sim, é preconceito, Micheline. E fascismo. Não, não te perdoo. Agora foge dos holofotes dizendo que está abalada com a repercussão. Tinha direito a só uma estupidez, mas resolveu cometer duas DUAS!
Uma curiosidade: Repararam que a mídia deu mais destaque ao fato de se comparar médicos cubanos a empregadas domésticas e o fato de isso ter se originado de um racismo medieval ficou, mais uma vez, em segundo plano? Não que a classe 'doméstica' não mereça a mesma atenção, porque merece sim e nossa luta é por respeito igualitário, ou seja, pra todos os que são excluídos ou inferiorizados sem merecer, mas é descaradamente sintomático isso, hein! Mais um caso enorme de negação/amenização do racismo. Aí, fica mole falar que não é tão sério assim o assunto.

E outra, sempre que um discriminado da sociedade aparece em posição social que não a de "subserviência", rapidamente aparecem manifestos dessa podre natureza. É o negro que não pode ser médico, porque você não aprende assim na TV, é a doméstica que ainda te faz pensar (?!) que elas são servas e não funcionárias profissionais, fora os outros caos, como as mulheres que sofrem preconceito em posições de liderança, idosos, gays, e por aí vamos nesse caminho de lama não-medicinal.
Essa tem raiva do dinheiro "mal gasto" e deseja a morte de quem veio, e não combate quem gastou esse dinheiro. Tão estúpida quanto neo-nazista, e ainda psicótica.
Estamos precisando de médicos? Sim, de médicos, de cartunistas, de jornalistas e, principalmente, de educação!

Nunca canso de explicar, porque tem gente que não cansa de ser babaca.


Aposto que esse pessoal faz compras no Pão de Açúcar.



Nenhum comentário: