Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Na época da ditadura era melhor?

Sabe, na época da ditadura, falar em fome, justiça social e distribuição de renda era motivo suficiente pra ser tachado de comunista - sendo ou não o caso. Reaças domesticados existem com esse pensamento até os dias de hoje e ainda têm a pachorra de passar esses (des)valores a suas gerações imediatamente seguintes... Aí, eu penso seriamente que seria mais fácil conviver com um tiranossauro.
 Tiranossauros... Tão fofinhos e determinados... Além do mais, sempre fui fã de Herson Capri).
O golpe de '64 não foi bem um golpe, quer dizer, foi... E não foi. Na verdade, seria uma revolução (como também é comumente chamado). A ligação essa a subserviência ao capital estrangeiro, principalmente dos EUAses, que mantinham atenções sobre o Brasil para que não se tornasse mais uma ilha político-econômica feito Cuba (e essas modas que Cuba lança - ta da tchiss!). Precisamos voltar um pouco no tempo, até a década de 1930. Primeiro houve o tal Plano Cohen, um suposto documento que alertava para o "perigo vermelho" (já que os EUAses, capitalistas, se encontravam em rivalidades com os soviéticos, sócio-comunistas), tendo como solução emergencial a permanência de Gegê (vulgo Getúlio Vargas) na presidência, mas, em estado de guerra (WTF? Pra não ficar repetitivo?). Daí, vêm as consequências como a constituição de 1937 e o fatídico Estado Novo (que é assunto muito recorrente em www.raizdosambaemfoco.wordpress.com, já que foi um evento histórico de suma relevância para o Samba como conhecemos, mas estou divagando).
Representei o Samba alçado ao patamar de cultura oficial do país, mas sendo perseguido pelas esquinas e morros.
Alguns anos depois - aí, sim - veio a revolução de 1964, que na verdade, era um golpe nos mesmos moldes do tal Cohen (tipo o hi-fi de antigamente, que hoje virou gummy). Não houve insurgência popular (não mais que resmungos falando de lado e olhando pro chão) pra justificar tal ato extremo. Guerra Fria é Guerra Fria e o Brasil também participou (diz que não!). O gigante só estava fora de forma de tanto ficar em frente à TV iolatrando o futebol e o carnaval (de sambas ufanistas e controlados, com cito também no supracitado site). Porque até aí, vá lá, o carnaval e o futebol não têm culpa da acomodação e cultura de medo de levante popular, né? NOT! A bomba atômica também não tem culpa por dizimar meio Japão, foi um dedo que fez (UIA!). Bem, a escravidão e a ditadura ainda estão aí, só se ampliou o cercado e pintou-se a gaiola com cores mais vibrantes, mas tá tudo aí.

João Goulart, o famoso Jango, era um populista da escola de Getúlio Vargas - e da mesma de Tancredo Neves - que propunha mudanças na sociedade como a reforma agrária e nacionalização das refinarias de petróleo particulares, por isso, assustava a ala conservadora, que usou de todo artifício pra criar na população o pânico/histeria anticomunista contra ele.Meteram (UIA!²) de CIA até marinha estadunidense (US. NAVY) na parada só pra manobrar a população - que não pesquisa nada sobre si mesma - contra os "vilões devoradores de criancinhas" (não preciso dizer que isso vem desde a pressão e ameaça de bombardeio ao Brasil, caso não apoiasse os EUAses em suas guerras, já que não foi coincidência a entrada do Brasil - simpatizante do fascismo de Mussolini e do nazismo de Hitler, entrar justamente contra o EIXO na 2ª Guerra).
Um dos símbolos da política de boa vizinhança entre Brasil e EUAses: Zé Carioca. 
Tá, o capitalismo e o comunismo são só modelos sócio-econômicos e o fato de serem o que são hoje, não quer dizer que não possam ser diferentes, não nasceram assim  na natureza, só depende da intervenção humana contra os interesses de uma minoria. Enfim, o presidente Jango fugiu e, novamente, os militares vieram em '64 para nossa própria proteção (lembrei das milícias e da Plebe Rude agora...). Ou você aceitava ou ia ter uma morte muito dolorosa tendo gritos abafados somente pelos gritos de gol e de carnaval. Cantar Chico Buarque, nesse contexto, era o que restava para a maioria (Geraldo Vandré curtiu isso), mas ainda há muitos que conseguem emitir "na época da ditadura não tinha essa bagunça que tá aí!"... Putz, cara... Mas eu tenho uma teoria mais ou menos embasada pra essa pseudo-opinião. Fique aí para o próximo parágrafo.

Ainda aqui? Bem, durante os anos de chumbo, o Brasil teve injetado uma grande quantidade de capital (cof EUAses cof), alavancando o crescimento econômico do país, mas a festa durou o tempo de orgasmo de um coelho e o que restou foi esse abismo sócio-econômico absurdo (que a Globo e a Dilma cismaram de empurrar que diminuiu e está prestes a acabar). Ser politicamente incorreto agora parece um conceito bem mais amplo e paradoxal, né? Diga isso a um amigo reaça. Aí, o que veio foi uma dívida externa grande como o ego de algumas sub-celebridades e o pagamento lento entre eles mesmos lá em cima com o seu dinheiro. Na verdade, isso tá rolando... agora... mesmo!

A ironia é que pra chupar os bagos dos empresários que os sustentam, os políticos conservadores se valeram justamente do populismo, ou seja, de elementos que têm fácil aceitação para mentes não contestadoras. Você foi educado e programado pra achar que tudo na vida é questão de trabalhar, estudar e querer pra poder... Ou seja, você é Xuxa em Lua de Cristal e eles são o Baixo Astral (que eu tinha um tremendo dum medo). Vai dançando seu funk sexual e seu som da modinha, rebole bastante, mas use camisinha e lubrificante, porque a p*ica vai entrar sempre no mais pobre.
Viu? Se você quiser com muita vontade, até o Sérgio Malandro vira príncipe.
Ps.: Não sou contra o futebol nem o carnaval, só acho que são muito pouco pra manter o pensamento "a vida e tão dura, que a gente precisa de uma distração". Não, não tá nada bem e ainda tem pobre que defende esse sistema classista que faz do Brasil uma novela sem preto, sem pobre e que tudo fica pra dar certo no final, quando todo mundo se casa e vie feliz pra sempre. Brasil, um país de tolos. E o futuro? Ah, deixa pra amanhã.

Nenhum comentário: