Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Grandes relatos: Coxinha Jr. e Lobão Sênior lá



Sabe, é muito natural que passemos por um processo de rompimento (UIA!) com o que aprendemos ser o tradicional. Geralmente, isso ocorre na adolescência, fase da vida em que estamos nos conhecendo enquanto gente, não só o instinto de ser da infância. É aí que, se, por exemplo, você cresce num lar conservador, pode vir a sentir o desejo de subverter esses conceitos ou vice-e-versa. Hoje em dia, vejo umas coisas interessantes do ponto de vista sociológico e também político. Por exemplo, conheci um jovem num trabalho, orgulhoso em se dizer neo-liberal, leitor da Veja e crítico do comunismo, mas sem nem saber o que é, apenas acha que é o oposto do capitalismo que oprime as pessoas querendo transformar o Brasil em Cuba, China ou sei lá. E ainda acha Rodrigo Constantemente um babacaino um fanfarrão e Lobão um bobão (perdão, trocadilho involuntário). Seu ídolo mesmo é Olavo de Carvalho. Ah, e acha American Dad uma crítica neo-liberal à sociedade, tadinho, sem perceber que é uma crítica AO neo-liberalismo. Até porque, classe média que adota essa visão política é o mucamo feliz em segurar a sombrinha da sinhá, né? Coxinha.

Vou fazer um paralelo entre esses dois, o reacionário Jr e o neo-reacionário (Lobão, aquele que muda conforme interesses da moda pra chocar). Primeiro, o reacinha mal passa dos 20 anos de idade e não consegue ouvir alguém perguntar se vai chover pra destilar seu medo do PT. Tipo 'Ei, como está o tempo lá fora?' "Vai chover, eu li na Veja que várias empresas estão abandonando o Brasil por causa do Lava-Jato". Essa lógica linda. Bem, dito isso, lembro que o garoto, quando o PT assumiu a presidência, ele ainda era uma criança que muito mal, ouvia a sua volta o que se falava em política, ou seja, expectador distante e sem conhecimento de vida e do assunto pra saber de algo àquela altura. E temo Lobão, que viu o oposto disso, viu a ditadura militar surgir, seu pai, amigo chégas de Roberto Marinho, por exemplo, ou seja, como muitos da sua geração rock '80, apenas aparece como rebelde porque quebrava com o tradicional de seus pais, voltando-se para o ninho depois de encontrar a própria personalidade e ter certeza que não era uma continuação, um outro braço de papai. Por mais paradoxal que pareça, é comum ao ser humano essa coisa de se afastar pra sentir que deve se aproximar.

Lobão A tiete do PT:


Voltando, Lobão, que já acusou Ivo Meireles de roubar sua ideia do Funk N'Lata, foi preso envolvido com drogas e já fez showmício pro PT, hoje virou colunista da Veja, atira bizarrices pra todo lado, sendo uma recente a que político deveria ser tudo rico. Ma, Bátema, se ele já passou da fase de romper com o tradicional, o que o levou a mudar de lado de novo de novo? Oras, gafanhoto, seu paipai era amigo dos Marinho, sendo o finado fundador da Rede Globo - que se ergueu como gigante na época da ditadura - aquele a avisar que Lobão estaria em maus lençóis gritando Lula Lá em pleno iniciante Domingão do Faustão. Não pela boca de urna, crime eleitoral, mas porque o adversário de Lula é que era o queridinho, tendo a maior manipulação de uma edição de debate que se lembre nos dias de hoje.

Lobão explica pro Gentalha porque ficou afastado da Globo, o que explica por que se bandeou pro lado conservador neo-liberal (e, Gentalha, vai enganar que você realmente estava desde 1989 com essa curiosidade de detalhes??? Ah, porra de mentiroso do carai.):


Então, voltando ao ex-colega reacinha da estrela, ele está numas de romper com o tradicional, o que explica ele prometer e cumprir de ir trabalhar com as roupas formais de uma festa do dia anterior, estampas de desenhos animados e essas coisas... sabe o famoso 'duvido tu fazer isso' e ele vai e faz pra provar que pode, pra ganhar conceito com a galera. O problema, é que ele mesmo pode acabar se voltando contra isso futuramente, ou a imbecilidade é atemporal e independente da idade, não me importa. O interessante é que parece haver um manual, cansei de ter postagens com ele se metendo a opinar e, quando eu citava algum trecho de texto meu, até, ele dizia 'não li não, mas acho isso, isso...'. Recentemente, num grupo de zap, ele postou dúzias daqueles memes racistas que eu critico o tempo todo, já tendo falado antes também que ele é chamado de branquelo em família, não entendeo porque mandavam isso pra ele, mas qeu ele gostava dessas 'piadas'. Gostaria de dizer que sarará só é chamado de branquelo por mentira ou por deboche, ok, re? (Rê de reaça, ok? estamos nesse nível de envolvimento após tentar me f*der com esses argumentos abusivamente falhos).

Bem, é isso, quando uma criança idiota cresce tendo o PT como governo federal, ele quer quebrar com o tradicional e adere ao lado que tornou moda falar mal do governo, mas não se preocupou em ler muita coisa sobre os tempos de seu amado PSDB no governo. Dicas não faltaram, já falei que meu primeiro salário era de 300 reais (brutos) e que o salário mínimo era uns 150$, 200$, e ele quer falar de inflação hoje, como se inflação, só por existir, já fosse o terror do mundo. Enfim, babaca é babaca mesmo e eu tive o desprazer de conviver por dois meses com uma cópia provinciana do já provinciano babaca Felipe Neto (aquele nerd de caráter dúbio da escola, que pode matar a turma toda ou se defender do possível bullying criando uma turminha da pesada pra falar mal e botar defeito em todos).

Nenhum comentário: