Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

terça-feira, 22 de abril de 2014

Dr. Renato e Seu Didi


Em 24 de agosto de 2012, a jornalista de celebridades Fabíola Reipert publicou em seu blog uma notícia, que corre o mundo como uma lenda urbana, sobre Renato Aragão ter, supostamente, mandado demitir um funcionário (motorista, no geral das narrações) por tê-lo chamado de "Seu Didi", "É doutor Renato". retrucou antes de cortar a cabeça do pobre coitado.

Em 28 de agosto daquele mesmo ano, o e-farsas - portal especializado em investigar a veracidade dessas lendas, correntes, hoaxes, etc de internet - levantou diversas questões para ter alguma pista de realidade, pois, como o site alerta bem, não há datas, nome ou rastro do tal demitido e nenhum detalhe, coisa que esse tipo de spam adora pra ser repassado e não ter que se enrolar com detalhes. Mas é aí que está o motivo da desconfiança. Como o caso da tal ex-paquita que teria morrido de AIDS por causa de uma vida desregrada e descuidada (que usa o nome de Patrícia, a foto de Luciana Vendramini e de outra jovem e esses mesmos detalhes... ou melhor, falta de).

Fake descarado. Nem são da mesma pessoa.
O caso é que em 29 de agosto, também de 2012, o Jornal Extra entrevistou Renato Aragão, que, óbvio, negou que sequer tenha demitido algum funcionário. Até aí, ele está no seu direito, além de não haver prova em contrário, já que mesmo preservando a identidade do tal ex-funcionário por um eventual segredo de justiça, ninguém se pronunciou em defesa dele, DA PARTE DELE, só a opinião pública de quem leu a notícia ou só ficou sabendo e saiu repassando (como o famoso boato sobre o Garoto Bombril, Carlos Moreno, que eu publiquei aqui no blog, lembra?).

Pois bem, não há provas de acusadores e a defesa nega, caso encerrado, certo? Errado! Porque aqui, o assunto é um pouco mais direcionado ao artista Didi e não só à notícia. Vejamos, ele pode não ter demitido um funcionário por causa de "Seu Didi", mas ao Extra, ele disse que seus funcionários são antigos por lá. Ok, podem ser, mas o colunista d'O Dia, Leo Dias, publicou em março deste ano uma notícia de uma assessora demitida por Aragão e movendo ação judicial trabalhista contra ele.

Sinal nítido de que pode se tratar de uma lenda de internet,
é a falta de dados exatos, como uma data para o ocorrido.
Tudo bem, demitir um funcionário que ninguém conhece é bem mais ameno que praticar assédio moral contra um motorista e provocar um infarto no coitado (não é, Zezé Polessa?), mas afora a ex-assessora, diversos sinais apontam para uma conduta dúbia de Didi. O abandono de seus ex-colegas de Os Trapalhões e as famílias dos falecidos é um grande deles. Família de Zacarias se queixa disso, Dedé ficou anos afastado de qualquer referência que não fossem as antigas reprises do programa na Globo e a coisa piora. O que dizer de Ted Boy Marino, que meses antes de falecer, se queixava no programa Pop Bola (MPB-FM) da falta de consideração de quem trabalhou com o humorista antes mesmo de ir para a Globo?

Adoráveis Trapalhões, formação ignorada por Didi. Wanderley Cardoso, Ted Boy, Ivon Cury e Didi.

Fica evidente o descaso com o passado do grupo quando o programa é citado apenas como uma extensão de Didi naquele especial de fim de ano da Globo. Tudo bem, era especial sobre o personagem, mas que papagaiada foi aquela de mostrar praticamente a infância, juventude e... TRAPALHÕES NA GLOBO?!?!? Não, gente, tá muito errado, cadê a primeira formação na época da Record, da Tupi, com Ivon Cury, Ted Boy e Wanderley Cardoso? Apaga-se tudo só porque não era da emissora dos Marinho?



Então, é aquele negócio, sobre o tal motorista demitido, nada comprova, mas isso não comprova, também, a inocência de Renato Aragão no meio artístico. Mesmo que ele diga que não tem o poder de demitir um funcionário da Globo, no texto, a expressão é 'mandou demití-lo', e influência o cabra tem. Mas vamos deixar pra outra hora, o lance é que arrecadar milhões com seu projeto Criança Esperança é um grande espetáculo de atenuantes de imposto de renda, mas parece a festinha da família problemática: Todos sorriem até o apagar das luzes, quando voltam a mostrar suas verdadeiras faces.

É tipo aquela coisa, a pessoa que já tem fama de ser antipática acaba pagando até pelo duvidoso. Como naquela época que o Pânico manobrou o Carioca de modo a ser humilhado por Jô Soares, mesmo que nem tenha sido pra tanto.

Fontes:

E-FARSAS

EXTRA ONLINE

BLOG DA FABIOLA REIPERT

UOL

LEO DIAS

Atualização (5/5/2014)

Renato Aragão aprontou mais uma trapalhada sobre a vida de mais um motorista, ou melhor, manobrista. O funcionário de um shopping carioca pediu para tirar uma foto com ele e, irritado, o trapalhão teria pedido a cabeça do cara diretamente à administração do local, alegando demora na entrega de seu veículo. Desse jeito, fica difícil acreditar que ele seja inocente naquela conhecida história da demissão do outro motorista, muito mais difícil acreditar que ele não consiga uma demissão alheia por poder de influência e grana. Bem, pelo visto, o coração dele continua bem mau.

Atualização (6/5/2014)

Saiu no Diário 24 Horas que Renato negou a notícia e foi confirmado pela assessoria do tal shopping que negou demissão recente por lá, alegando ser um mal entendido. Agora, se isso é uma manobra 'abafa o caso' ou se realmente aconteceu, vai ser difícil saber. O que me faz pensar em porque surgem tantos boatos sobre o mesmo traço de personalidade de uma pessoa, comumente, famosa por belos atos como Criança Esperança e anos de programas humorísticos. Além da fábula da criança que morreu de fome, que dizem ser um ilustrativo chamariz de emoção instantânea, mas sem fundamento real.

Nenhum comentário: