Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Oprah e Melanie: A prova de que dinheiro não é sinal de bom gosto

Sabe quando saem aquelas listas de celebridades no passado e atualmente? Pois é, você pode reparar que esse tipo de lista sempre vem com alguma coisa do tipo 'não existe gente feia, existe gente pobre'. Isso é um clichê tremendo no que diz respeito a padrões pré-programados pelos meios de comunicação em massa. A associação dinheiro-vida melhor ignora duas verdades quase que universais: A primeira é que dinheiro não traz felicidade (não adianta se contorcer, a felicidade é um conceito e não um objeto); e a segunda é que bom gosto não tem nada a ver com a carteira ou conta bancária, além de que, dizia Nelson Rodrigues, toda unanimidade é burra.

Para exemplificar, vamos ver dois casos de diferentes resultados diante do 'feitiço do tempo'.

Oprah Winfrey

A celebridade mais influente do mundo e uma das mais ricas, famosa entrevistadora, já fez vezes de atriz e deu uma valorizada no seu visual (a imagem da esquerda é de 1997 e a da direita é de 2014).

Oprah Winfrey é uma das mulheres mais ricas dos Estados Unidos - o que se refletiu muito em sua aparência (Foto: Divulgação e Getty Images)

Melanie Griffith

A esposa de Antonio Banderas é só 3 anos mais nova que Winfrey (Griffith é de 1957), mas teve problemas com drogas e cirurgias plásticas de resultados duvidosos (a imagem da esquerda é de 1995 e a da direita é de 2014).

Melanie Griffith (Foto: Divulgação e Getty Images)

Então, dinheiro é tudo, ou é preciso um cérebro e alguma sorte na vida?

Nenhum comentário: