Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

sábado, 1 de setembro de 2007

Problemática dos termos politicamente corretos.

Sempre me perguntei porque, raios, de tempos em tempos, certos termos são abandonados para dar lugar a outros, pois os antigos teriam significações preconceituosas.

É estranho pensar que o, outrora, negro passa a ser afro-descendente, o índio se transforma em nativo da terra tal, o gordo vira obeso(o que já deixa a pessoa gorda com 30 kg a mais só pela “frieza” da palavra) e outros por aí. Aliás, isso me faz pensar se não é por isso que se utiliza o termo “chamado mensalão” em vez de suborno.

O lance é o seguinte: O lado negro da força virou sombrio(não chego a discordar, pois “dark” traduz-se mais adequadamente para trevas, sombras), mas acho que um negro continua com a mesma cor de pele que tinha antes de fazerem essas “alterações” e um gordo continua com o mesmo peso e, o mais óbvio, a pequena cabeça de um ser preconceituoso continua do mesmo tamanho(cof pequena cof).

Como vi no DELPHOS, falar “lado afro-descendente” da força é surreal, haiueheuihaie. E ocorre-me que, realmente a quantidade de personagens/atores negros na franquia Star wars, por exemplo, é beeeem pequena (só me ocorre Lando Calrissian – amigo de Han Solo - , Mace Windu – O segundo no conselho jedi e James Earl Jones – a voz de Darth Vader).

O que eu quero dizer com isso(quero não, digo) é que você pode chamar uma favela de comunidade carente, mas o problema ainda vai ser o mesmo. Que tal a turma da gravata bem arrumada em Brasília e suas ramificações regionais mudarem os termos politicamente corretos para AÇÕES politicamente corretas só para variar?

Os recursos estão lá(eu pago e você?), os corruptos, também...a menos que algum deles tenha desenvolvido teletransporte, acho que é perfeitamente possível fazer com que paguem(literalmente) o que devem à sociedade.

Claaaaaro, isso, ignorando que é bem possível haver uma espécie de código para os seguidores da ética não serem “duros demais” com seus colegas por ninguém saber o dia de amanhã...

Achismo meu: Somos bolsas de sangue esperando para sermos utilizados em quem precisa, mas somos direcionados para quem já tem e quer mais só para garantir a manutenção da boa saúde. E quem direciona? Os responsáveis pelo banco de sangue, oras.
Ah, não sabe? Deixaram morcegos tomando conta da gente, cara!!!

2 comentários:

Ana disse...

aaaaaaaaaah! eu nao podia deixar de registrar minha presenca por aqui!Grande irmao,grande blog!Mto legal msm!!!fala serio!!!!!!!!


xD



bjooooooooooooooooooooooooos!



quando eu tiver o meu novo pc, pode deixar q passarei mais vezes por aqui!


fui que fui...


=)

Anônimo disse...

Querido Amigo Fernando, que prazer visitar seu blog!!!
Continue assim... precisamos de discussões deste tipo para cada vez conscientizar as pessoas do que está acontecendo ao nosso redor!!
Muda Brasil!!
Isso aí!!
bjs