Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

PS4 eleito o maior lançamento de vídeo games de todos os tempos... Nhé!


Na boa, lançamento siniXtro meRmo (carioquice nível tradicional) foi o Atari, que evoluiu o telejogo para uma jogabilidade ímpar até então, Master System, Mega Drive, Snes, todos tiveram seus particulares, N64 trouxe uma qualidade enorme para consoles de cartuchos, Playstation e Neo Geo vieram com jogos em CD (e era um saco ficar minutos eternos esperando aquela trolha carregar) e várias outras coisinhas que revolucionavam o mundo dos gamemaníacos.


PS4 é um console tão grandioso quanto God o f War é um jogaço, mas, ei, nos tempos em que vídeo games acessam internet na Lua e fazem um belo café, fica difícil ser revolucionário, o sistema está a favor. Uma coisa que, pra mim, é muito mais inovadora, ou melhor, foi, porque a tecnologia superou muito há muito tempo, foram os cartuchos com 2, 4 , 12.647 jogos pra Atari. Aquilo sim é fazer limões com uma limonada... não, peraê, é o contrário. Enfim, estou divagando... O negócio é que confundem criar com desenvolver.

Muito fácil a gente ter computadores de todas as formas, tamanhos e todo tipo de acessibilidade à internet. Celulares viraram micro-micro-computadores, mas, pra isso, foi preciso haver, lá atrás (UIA!) a criação de um aparelho telefônico. Sacou? O que é mais revolucionário, criar um telefone quando todos estão mandando pombo virar almoço de gavião com bilhete amarrado na pata e tudo, ou pegar um celular e meter (UIA!³) outras tecnologias com todo o aparato?

É aquele negócio, como eu falei em GoW, o jogo tem gráficos lindos, uma história absurdamente rica (também, adaptar a mitologia grega é sucesso certo, né?) e um personagem fodão que te transporta para o jogo doido pra matar monstrinhos. Mas, tenho que dizer, Super Mario, por exemplo, é que é revolucionário. Porque você passava e zerava (?!) com toda sua malandragem. Os jogos ficavam longos pelo tempo que você levava praticando até conseguir evoluir. Hoje você salva o jogo a cada 5 minutos e o resto é andar pelo cenário pra lá e pra cá.


Parece besta essa coisa de “no meu tempo era melhor”, mas não é por isso que eu cheguei ao teclado. É que sempre que se anuncia algo novo como o melhor de todos os tempos, paro pra observar a fonte desse imediatismo. Geralmente é o mesmo motivo, necessidade de atrair consumidores enquanto o preço está em alta. Nada tem a ver com o trabalho de se criar algo legal e, mesmo que digam ‘tá Serto, porque tem que ganhar dinheiro’, eu digo que esse argumento não justifica nada. Se fosse assim, você aceitaria eu te chamar de filho da p*ta, já que uma prostituta também faz o que faz por dinheiro, mas não é fácil conhecer quem as defenda assim. Falando em Atari assista uma pala do jogo mais bizarro de todos... tá, pode não ser o mais bizarro, mas é o mais antigo bizarro dse todos, talvez o primeiro pornogame da história: X-Man - mas não os mutantes, filhos do átomo.


Nenhum comentário: