Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Não pode falar Zapzap?!



Tem uma expressão que eu acho muito engraçada que se chama Whatsapp. Ou melhor, não é o nome em si, mas as discussões sobre pronúncias e corruptelas que ocorrem e o famoso aplicativo do momento é só a ponta mais recente da discussão. A coisa funciona mais ou menos assim, uando surgem novidades, é natural que gere brincadeiras, distorções, novas versões, imitações e toda sorte de carona na onda da parada, né? Pois bem...

Whatsapp vem do Inglês, obviamente, sendo assim, nada mais natural que ganhar sotaques diferentes por onde passar, no caso, países que não falam inglês por padrão, como é o caso do Brasil, onde precisamos ser autodidatas ou fazer cursos, devido a ausência de um segundo idioma na educação básica (isso foi uma conversa que tive com um casal de alemães na Lapa-RJ há uns 3 anos, mas estou divagando...). A questão é que pronúncias transformam palavras, como você pode reparar em casos corriqueiros como 'brother' que vira fácil 'bróder', dada a falta de cacoete de pronunciar o inglês correto e muitos outros que eu falo depois. Mas tem uma que gera uma polêmica e engraçada discussão: Zapzap.



Conheço gente que só de lembrar da expressão, já treme de nervoso, como quem tem vergonha alheia, saca? Mas eu vou defender o Zapzap (que eu acho um apelidinho bobo, mas inofensivo, então, sobrevivo de boas). Vou defender o Zapzap, mas não por gostar dele, mas por tentar ter uma visão justa com quem fala porque, automaticamente, se falarmos do Zapzap, temos que falar do próprio nome da coisa. O nome do aplicativo também está sendo pronunciado errado por quem critica os ZapzapERS da vida (viu, você achava que não podia piorar?). Prossigamos.



Repare e reflita, o nome do aplicativo é WHATSAPP, um trocadilho muito esperto entre a expressão em inglês 'WHAT'S UP' (tipo, 'quais as novidades?') e a contração de 'APPLICATION' (palavra que designa um programa de computador/celular/tablet/etc). Então, temos WHAT'S UP + APP(LICATION) = WHATSAPP, percebeu? Pois bem, é um programa feito pra por a conversa em dia, não é? Então, é um aplicativo de conversa. E sabe o que você tá deixando de relevar quando critica o coleguinha que fala Zapzap? Já te falo.

A pronúncia correta e pragmática da coisa, acho eu, pela lógica gramatical do idioma inglês, seria  UATZÉP (com o P quase imperceptível de tão mudo), já que APP se pronuncia ÉP. Então, amigolhes, se você critica o Zapzap, mas fala UATSÁPI, sinto muito, mas também tá falando errado, de acordo com a norma culta da língua (hein?!). Exato, Se o esdrúxulo Zapzap te dói no ouvido como se o próprio Joel Santana estivesse falando contigo, saiba que você também maltrata o inglês com sua pronúncia literal, não tão diretamente como o anterior, mas aos poucos. Você não é o que atira, é o que envenena. Rá!

Falar UATZÁPI é, no máximo, a procúncia mais correta para a expressão de origem 'what's up'. Então, vamos deixar de onda, cada um pronuncia do jeito que achar melhor, se tiver alguém perto pra corrigir de forma educada e didática, melhor, mas não vamos julgar os coleguinhas como se houvesse uma escala de valor de quem pronuncia o nome correto porque muita gente não está pronunciando direito também. E se a competição for pra ver quem erra menos, então somos todos perdedores, senhorxs, pois ficamos diminuindo o próximo em vez de ajudá-lo.


Ah, e aprenda também que não é RÁIBAN e sim RREIBEN (Ray-Ban), saca? Não é ÊIPOU, é ÉPOL (apple) e um corriqueiro também, não é GÓDI, é GÓD (com um D tão mudo que praticamente não se pronuncia) e por aí vai. Vamos mesmo ficar nessa discussão da pronúncia perfeita? Numa troca rápida de palavras com um gringo você vê que tá falando um idioma próprio que só você sabe. E se te serve de consolo, quando ainda era novidade o aplicativo, uma pessoa que conheci, além de ser desagradável onde chega, falava 'você não sai do UAIZÁPI'... Sim, pode rir, essa pessoa queria falar de um aplicativo e acabava se referindo sem querer a um curso de inglês.

Eu costumo falar só zap (ZÁP) por preguiça mesmo. Isso quando não falo só 'mensagem' confiando que não vão mais confundir com SMS e porque eu sou velhão old school (ÔLDSCÚL). E já que o clima tá propício, fique com Joel Santana e seu funk boladão, pra saber o que é e o que nunca deveria ser uma pronúncia em inglês.


BÂTI DE SÉCONDI TÁIME AI RÉVI CONTROU DE MÉTI.

Nenhum comentário: