Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

terça-feira, 28 de julho de 2015

TOP 6: Erros de adaptação do Homem-Aranha (Sam Raimi)


Olha, não estou criticando o filme em si, foi muito bem feito, pro ano que veio, a tecnologia e o momento cinematográfico, tudo isso explica e justifica os acertos e erros do filme enquanto filme de super herói, mas enquanto uma adaptação especificamente do Homem-Aranha (meu primeiro herói favorito), achei que alguns pontos bem pontuais (hein?!) deixaram a desejar já naquela época (nem vou discutir a tecnologia, CG e efeitos especiais em geral).

Pra você ver que sou legal, vou passar por cima de decisões rasas da produção, como explorar pouco a relação paternal de Peter e Norman Osborn, a briguinha ‘você não é meu pai’ com Tio Bem pra apelar pro remorsos ainda maior do – então futuro – herói e outras coisas que eu vou esbarrar daqui a pouco na listinha que preparei pra tiS (sim, ti no plural. Rá!).

Então, é isso aí, valeu, gente, até a próxima e... ah, não, esqueci que tem que falar da lista no texto que tem justamente esse propósito (Rá!²). Vamos aos pontos em que Homem-Aranha (principalmente o primeiro de 2002) poderia ter dado um caminho diferente ao herói nas telonas (e PCs via torrent que eu sei, hein, seu pirata!).

   1)      Mary Jane amor de infância de Peter e com personalidade de Gwen Stacy



Uma coisa interessante que rolava antes e aconteceu com mais freqüência depois dessa nova franquia “Homem-Aranha/skatista/Coldplay”. Falo da frase ‘ah, Mary Jane não foi a primeira namorada dele?’. Isso, gafas, (gafanhoto pros íntimos), Peter, pra um nerd tímido, já deu uns lances com Felícia Hardy (a Gata Negra) e Betty Brant (secretária de J.J. Jameson), mas seu verdadeiro primeiro amor foi Gwen Stacy. Ela era a jovem meiga por quem Parker se apaixonou até ser morta pelo Duende (Norman) num dos episódios mais emblemáticos da história do aracnídeo da Marvel, e até das HQs em geral (junto com Tio Ben, foi uma das raras mortes não revertidas nessa bagunça que é o além-túmulo das HQs (eu ignoro aquele clone que dormiu com Norman pro meu próprio bem). Mary Jane, viria depois, uma garota popular modelo, gostosa, legal e só. A relação deles só brotou quando Gwen já era um passado sofrido da galera. Aí, no filme, puseram a personalidade de Gwen num background ‘lar destruído’ e ZAZ! Mary Jane no cinema. E primeiro amor de infância de Peter ainda, ou seja, a Gwen que aparece em Homem-Aranha 3 não tem nada a ver com eles, Harry, Flash Thompson e a tchurminha do barulho aprontando altas confusões. Nada disso é explorado.

   2)      Peter meio nerd, mas Homem-Aranha não piadista


Essa, eu acho que influenciou diretamente na história do filme, ou a direção influenciou nesse fato, sei lá o que veio primeiro. Bem, o Peter é nerd (pouco se explora seu lado gênio, já que suas teias orgânicas impediram até a criação dos lançadores e do fluído de teias, um charme a mais nas HQs), gente boa e auto-contido, mas o Homem-Aranha é um piadista de primeira, que usa esse artifício pra irritar os inimigos e levar vantagem com a falta de concentração deles... além de ser um sacana nato mesmo. Mas no filme, ele faz uma piada no início, quando ainda está lutando por dinheiro e depois, quando se depara com o Duende no Clarim Diário. Muito pouco pra um filme inteiro (que dirá de uma trilogia). Como eu falo, modificou uma característica básica do personagem. O filme focou tanto em romancezinho água-com-açúcar (donzela em perigo) que só mostrou o teioso herói de emergência, sério compenetrado, meio que Superman e nem o gênio que bolava umas tralhas de improviso pra se virar ele se mostrou.

    3)      Harry e Norman sem o cabelinho crespo legal


Essa foi uma das primeiras que me incomodara, mais até do que a aranha radiativa substituída por ‘geneticamente modificada’ ou a teia orgânica, abolindo os fantásticos lançadores de teia. Mas isso tudo eu entendi, mas apesar de fisicamente bem parecidos no filme (Willem DeFoe e James Franco), achei que os cabelos ‘de ondinhas’ eram uma marca dos personagens, não necessariamente canônicos, mas senti um estranhamento bem no fundo do meu ser (UIA!). Saca, como se Christopher Reeves/Superman aparecesse de mullets? Então, mudança inútil, então, desnecessária.

4)      Duende Verde Power Rangers


Essa sim, uma que me fez lembrar do primeiro X-Men do cinema (2000). Essas adaptações de roupas são uma questão polêmica pra mim, no melhor sentido da palavra. Realmente é algo que me divide opiniões e não há uma resposta exata que não deixe brecha pra contra-argumentações. Mas, lá vai meu ponto de vista. Achei feião esse Duende de armadura. Pra um cara louco que voa por aí num planador a jato rindo feito Coringa e atirando bombas em formato de abóboras, acho que a velha máscara de borracha faria muito mais sucesso. Imagina, ver um cara de carne e osso com uma máscara de borracha fazendo essas atrocidades. Caras, me assustaria muito mais que um Power ranger daqueles. Vai fazer o quê depois, ficar gigante e destruir a cidade? Affe...  E nem me venha falar que ficaria ridículo usar uma roupa colante e colorida, pois esse ranger robô mirim não ganha em nada do traje original. Até porque, já viu esse povo de academia, como suas roupas são colantes e coloridas? Vida real, caras!

   5)      O criminoso que matou tio bem ser cúmplice do Homem-Areia



Essas ligações de coincidências de roteiros me fazem um pouco furioso. Tipo o Coringa que matou os pais do Bátema no filme de Tim Burton (1989) ou o caráter messiânico de Jor-El ter pesquisado o universo pra saber que na Terra, seu filho seria um super herói pra salvar a humanidade (Superman-Homem de Aço – HQs, 1986). Aqui, além da MJ ser amor de infância, levamos três filmes pra descobrir que o bandido que matou tio Ben estava nessa com Flynt Marko, que entrou pro crime pra sustentar o tratamento da filha doente (como vimos em HA3). Caras, a própria história do personagem já traz essa ligação com o cara sendo o mesmo que Peter deixou fugir só pra se vingar do contratante da luta que deu volta nele com a grana do prêmio. Aí, ainda tinha que jogar um sujeito que nem aparece no filme? Sério, maneira no retcon porque é igual feijoada, vai ser melhor assim.

    6)      Harry é só um mimado querendo aprovação paterna


Harry, no gibi, tem uma história e tanto. Ele perde a mãe no momento que esta dá-lhe à luz, é tratado pelo pai de forma fria e distante, alternando com momentos de violência doméstica, o que o leva a se drogar. Sua personalidade, que nunca foi lá essas coisas, se deteriora e ele desenvolve problemas que se tornam mortais quando ele assume o manto do Duende Verde, após a morte do pai. É isso. Ou deveria ser, né? Já que no filme, ele apenas é um mimado com pai distante buscando aprovação dele, culminando com a vergonha alheia de ele acabar de levar um fora do pai, na frente dos amigos, agredindo verbalmente MJ – até aquele momento, de namorico com ele – só se calando ao levar um fora de Tia May. Caras, na boa, faria muito mais sentido se ele tivesse esse passado de drogas, agressões e esquizofrenia. E não ia ser demais pro público, todo mundo entende rápido como essa combinação dá problema.



CONCLUSÃO

“Ain, Saga, que nerd chato que vê defeito em tudo. Aposto que é porque não gosta de adaptações”. Não, gafas, eu gosto de adaptações e muitas são necessárias tanto pra mudança de mídia (de quadrinho pra carne e osso muita coisa precisa mudar) quanto pra própria linguagem de cinema e público diferente. Só que, voltando de novo, uma mudança não pode afetar a construção do personagem. Não ligaria pro Peter japonês, mas ele teria que ser o nerd gente boa que vira um ágil herói piadista quando usando a máscara de aranha, saca? Esse (Tobey Maguire) ficou a cara do Peter nos quadrinhos, mas perdeu todo seu lado ‘engraçaralho’, igual o Bátema, que nunca tem seu lado detetive explorado, saca? Mas se te conforta, achei o Jameson perfeito. Fiquei até surpreso em saber que é careca, no melhor estilo ‘cara, como assim tu num é o Jameson de verdade?’. Haha, estou sendo engraçaralho.


Viu, Sam Raimi, não é difícil fazer piadinhas sem graça pra irritar os outros. O cabeça de teia bem que poderia mais. A franquia Spider/Andrew Garfiel eu falo depois, quando tiver observado bastante.

Como curiosidade pra finalizar: Lembra dessa foto abaixo? Tinha uma cena no trailer que mostrava essa armadilha de teia entre as torres do Word Trade Center, mas entre as filmagens e a estreia, ocorreu o terrível '11 de setembro (2001)' e a cena foi deletada por motivos óbvios.

Um comentário:

EU SOU UM GAMER disse...

Deveriam seguir a hq o filme teria ficado bem melhor,só gosto porque já é um "clássico" fora isso prefiro a série animada do espetacular homem aranha :p