Crônicas, divagações e contestações sobre injustiças sociais, cultura pop, atualidades e eventuais velharias cult, enfim, tudo sobre a problemática contemporânea.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Nem tanto ao campo, nem tanto à faculdade

Pode me encher com quantas desculpas capitalistas quiser. Eu sei tudo TUDO! Sei, por exemplo, que:

1) é modinha (não de viola), então, vão fazer, se copiar, se reciclar e se repetir até não render mais um centavo sujo de cocô;

2) vão juntar com quantos "pagodeiros", funkeiros e jogadores de futebol pra aumentar seu público de alcance, porque sabem que o que fazem disfarçado de música é só um produtinho descartável e perecível que não dura um mês;

3) só vão dar um tempo nessa putaria baboseira quando não tiverem mais onomatopeias pra cacarejar no lugar do refrão... ou quando o povo arrumar outra idiotice pra seguir... o que vier primeiro;

Entre outras coisas... E não adianta defender, que tem que respeitar, porque eu respeito - e até gosto de - sertanejo, não essa brincadeira de mau gosto que perturba. Se liga, é a mesma coisa que respeitar um belo prato de angu, mesmo não gostando, porque a comida tem sua nutrição, mas pedir respeito pra guloseima não. É defender o supérfluo que não acrescenta depois de 5 minutos de uso.

Mais uma coisa, se é sertanejo e universitário, mas só fala em carrão, bebedeira, pegação... porque tem esse nome? Por causa das roupas de caipira? Ah, vá...

Nenhum comentário: